Mercado abrirá em 17 mins
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,13
    -0,17 (-0,23%)
     
  • OURO

    1.747,40
    -2,40 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    41.451,41
    -2.439,79 (-5,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.028,93
    -79,99 (-7,21%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.050,94
    -27,41 (-0,39%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.194,75
    -108,75 (-0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2515
    +0,0265 (+0,43%)
     

Promotoria vai apurar eficácia de sistema de cotas e combate ao racismo na USP

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Ministério Público de São Paulo instaurou um inquérito nesta quinta-feira (29) para apurar a eficácia do sistema de cotas e das ações de combate ao racismo dentro da USP (Universidade de São Paulo).

O objetivo é apurar a eficácia das políticas de combate e enfrentamento do racismo estrutural na universidade. A Promotoria de Justiça de Direitos Humanos da capital é responsável pela investigação.

Os membros do MP-SP estão levando em consideração os casos recentes de suicídio dentro da universidade, os relatos de precariedade da moradia estudantil e a necessidade de se instituir mecanismos preventivos e repressivos de fiscalização das cotas.

No início de julho, reportagem do jornal Folha de S.Paulo revelou que a USP havia concluído apenas 0,5% dos processos por fraudes raciais.

Ações decorrentes de denúncias feitas em 2017 ainda não haviam sido julgadas e só 1 dos 193 processos do tipo em curso tinha sido concluído.

As ações foram originadas de 381 denúncias que ficam sob responsabilidade da Pró-Reitoria de Graduação —boa parte foi descartada por não ter indícios de materialidade ou porque os alunos cancelaram suas matrículas por conta própria.

O Ministério Público deu prazo de 30 dias para que a reitoria, o Conselho de Graduação, a Comissão de Acompanhamento da Política de Inclusão e a Superintendência de Assistência Social apresentem as informações solicitadas.

Em nota, a universidade afirmou que ainda não recebeu o inquérito oficialmente e que tem tomado medidas para combater todos os tipos de preconceito, além de adotar ações efetivas de inclusão social e políticas de permanência e apoio estudantil.

" A universidade estranha a instauração do inquérito, visto que tem respondido sistematicamente diversas demandas do MP recebidas anteriormente sobre esses temas", declarou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos