Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.123,85
    -3.459,16 (-3,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.925,52
    -673,01 (-1,30%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,30
    -0,99 (-1,31%)
     
  • OURO

    1.735,30
    -2,20 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    41.429,21
    -1.026,39 (-2,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.022,03
    -35,11 (-3,32%)
     
  • S&P500

    4.352,63
    -90,48 (-2,04%)
     
  • DOW JONES

    34.299,99
    -569,38 (-1,63%)
     
  • FTSE

    7.028,10
    -35,30 (-0,50%)
     
  • HANG SENG

    24.276,71
    -223,68 (-0,91%)
     
  • NIKKEI

    29.514,42
    -669,54 (-2,22%)
     
  • NASDAQ

    14.780,75
    +16,00 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3400
    -0,0026 (-0,04%)
     

Promotoria pede bloqueio de R$ 50 bi de Vale e BHP por 'manobra' em recuperação da Samarco

·3 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O Ministério Público de Minas Gerais pediu à Justiça o arresto de bens das mineradoras Vale e BHP Billiton no valor de R$ 50,7 bilhões, o equivalente aos créditos listados pela Samarco, controlada pelas duas empresas, em processo de recuperação judicial.

No pedido, a Promotoria acusa as empresas de "manobra fraudulenta" para blindar os controladores da Samarco das responsabilidades de custear os danos provocados pela tragédia de Mariana (MG), que deixou 19 mortos e um rastro de destruição em 2015.

O valor da dívida é alvo de disputa entre as mineradoras e outros credores da Samarco, que também acusam as controladoras de manobra que reduziria o valor recuperado por fundos de investimento detentores de títulos da empresa.

No pedido entregue à Justiça, o Ministério Público pede a desconfiguração da personalidade jurídica da Samarco, para que Vale e BHP sejam responsabilizadas diretamente pelos danos causados pela tragédia, como controladores da companhia.

Metade da dívida da recuperação judicial da Samarco refere-se a empréstimos tomados com seus controladores, parte deles para aportar recursos na fundação Renova, responsável pela reparação dos danos provocados pelo rompimento da barragem de Fundão.

A Samarco alega que respeita a lei ao incluir todas as suas dívidas entre os créditos a serem renegociados na recuperação judicial, mas os credores e o Ministério Público entendem que, na falta de dinheiro da Samarco, os controladores deveriam aportar capital próprio na fundação.

"O pedido de recuperação judicial feito unicamente pela controlada Samarco tem o claro intuito de excluir as controladoras de toda a responsabilidade pelo passivo gerado com o rompimento da barragem de Fundão", diz a peça entregue à Justiça.

"O atual cenário evidenciado no processo de recuperação judicial demonstra claramente que esse instituto está sendo usado como instrumento de manobra fraudulenta", prossegue o texto, concluindo que as empresas serão reembolsadas por todos os aportes feitos até o início da recuperação judicial.

Os promotores pedem ainda a suspensão do processo de recuperação judicial até o julgamento da ação, diante do risco de que uma futura decisão da Justiça perca eficácia ou utilidade após a votação do plano de recuperação.

O plano apresentado aos credores prevê descontos de 85% no valor da dívida e prorrogação dos pagamentos para até 2041. Em julho, a proposta foi rejeitada pelos credores financeiros, repetindo que o principal objetivo do plano proposto é proteger as controladoras.

Por meio de nota, Vale e Samarco dizem que não foram notificadas e que se manifestarão nos autos. A BHP ainda não se manifestou sobre o tema.

"O ajuizamento da recuperação judicial foi a alternativa encontrada para a empresa manter sua função social, os empregos e benefícios para as comunidades de Minas Gerais e do Espírito Santo, por meio da geração de impostos, além de possibilitar a manutenção das ações de reparação e compensação de danos relativos ao rompimento da barragem de Fundão", concluiu a Samarco.

Quando os credores iniciaram os questionamentos ao plano, a empresa alegava que contou com o suporte da BHP e da Vale para manter suas obrigações com os empregados, fornecedores, para retomar suas operações e garantir as ações de reparação conduzidas pela Fundação Renova.

O Ministério Público sustenta que Vale e BHP tinham conhecimento dos riscos de rompimento da barragem de Fundão e que a legislação brasileira prevê a responsabilização de controladores por passivos ilícitos causados por controladas.

"É fato notório que Vale e BHP, acionistas controladoras, são empresas consideradas gigantes mundiais na exploração de minério, com plenas condições econômicas de suportar o pagamento do passivo arrolado pela Samarco em sua recuperação judicial", diz.

No primeiro semestre de 2021, a Vale acumula lucro de R$ 70,6 bilhões, impulsionado pelas elevadas cotações do minério de ferro. Com o desempenho, a companhia distribuirá até o fim do ano ao menos mais US$ 5,3 bilhões (R$ 27 bilhões pela cotação atual) em dividendos a seus acionistas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos