Mercado fechará em 2 h 56 min
  • BOVESPA

    121.348,63
    +642,73 (+0,53%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.151,28
    +321,97 (+0,66%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,33
    +1,51 (+2,37%)
     
  • OURO

    1.838,60
    +14,60 (+0,80%)
     
  • BTC-USD

    50.955,42
    +2.356,83 (+4,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.426,85
    +68,29 (+5,03%)
     
  • S&P500

    4.171,28
    +58,78 (+1,43%)
     
  • DOW JONES

    34.360,43
    +338,98 (+1,00%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.355,25
    +255,00 (+1,95%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3886
    -0,0239 (-0,37%)
     

Promotores do caso George Floyd pedem a jurados: "acreditem em seus olhos"

Jonathan Allen
·1 minuto de leitura
Parentes de George Floyd seguem para julgamento do ex-policial Derek Chauvin

Por Jonathan Allen

MINEÁPOLIS (Reuters) - Os promotores do caso George Floyd pediram nesta segunda-feira aos jurados para que eles "acreditem em seus olhos" enquanto reproduziram nos argumentos de encerramento do julgamento o vídeo que mostra o ex-policial Derek Chauvin se ajoelhando sobre o pescoço de Floyd.

O principal advogado de Chauvin, Eric Nelson, contra-atacou dizendo que Chauvin se comportou como qualquer "policial razoável" faria, argumentando que o agente seguiu seu treinamento após 19 anos na polícia.

Por várias vezes o promotor do Estado norte-americano de Minnesota Steve Schleicher repetiu uma frase: "Nove minutos e 29 segundos" - o tempo em que Chauvin foi gravado em vídeo no dia 25 de maio de 2020 com seu joelho pressionando o pescoço de Floyd até a morte.

Embora o veredicto do júri possa oferecer uma avaliação sobre o uso do policiamento nos Estados Unidos contra a população negra, Schleicher enfatizou em comentários que duraram quase duas horas que o júri estaria avaliando a culpa de um só homem e não de todo um sistema.

"Aquilo não foi policiamento; foi assassinato", disse Schleicher aos jurados. Ele citou o lema do Departamento de Polícia de Mineápolis, que demitiu Chauvin e outros três agentes após o assassinato de Floyd: "Proteger com coragem e servir com compaixão".

"Enfrentar George Floyd naquele dia não necessitava de coragem, e nada de coragem foi mostrado naquele dia", disse Schleicher, que falou em tom enfurecido e enojado. "Tudo que foi requisitado foi um pouco de compaixão, e nada de compaixão foi mostrado naquele dia".

O juiz distrital do condado de Hennepin, Peter Cahill, deu as instruções finais aos jurados antes de eles deixarem o tribunal para iniciar suas deliberações.