Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,12
    +0,21 (+0,30%)
     
  • OURO

    1.867,80
    -11,80 (-0,63%)
     
  • BTC-USD

    39.191,17
    +3.316,84 (+9,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    979,06
    +37,25 (+3,96%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.057,09
    +108,36 (+0,37%)
     
  • NASDAQ

    14.022,75
    +28,50 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1889
    -0,0037 (-0,06%)
     

Promotora pedirá pena de morte para autor de tiroteios em casas de massagens nos EUA

·1 minuto de leitura
Um policial guarda a entrada do salão de massagens onde três pessoas foram mortas em um dos tiroteios de 16 de março em Atlanta

O autor dos tiroteios em várias casas de massagens asiáticas em Atlanta em março escolheu suas vítimas com base em sua origem étnica, afirmou nesta terça-feira (11) uma promotora americano, que pretende buscar a pena de morte para o réu.

Robert Aaron Long, um homem branco de 22 anos, foi indiciado por um júri pelos assassinatos e por "terrorismo doméstico", de acordo com documentos judiciais transmitidos à AFP.

Paralelamente, a promotora do condado de Fulton, Fani Willis, informou ao tribunal a "intenção do estado" da Geórgia de buscar a pena de morte contra o réu pela natureza "horrível e desumana" dos assassinatos.

O indivíduo, segundo ela, "selecionava" suas vítimas com base na "raça, origem, sexo e gênero, reais ou percebidos".

Em 16 de março, o jovem, um fervoroso cristão adepto das armas, abriu fogo em uma casa de massagens em Acworth, a cerca de 50 km de Atlanta, deixando quatro mortos e dois feridos. Posteriormente, ele atacou outras duas salas localizadas nesta grande cidade do sul do país, matando mais quatro vítimas.

A tragédia causou forte comoção nos Estados Unidos, especialmente entre a comunidade asiática, à qual pertenciam seis das oito vítimas.

Robert Aaron Long, que admitiu os fatos, disse aos investigadores que não agiu por motivação racista e se apresentou como um "louco por sexo" ansioso para acabar com "uma tentação".

Sem prejulgar o resultado da investigação, o presidente democrata Joe Biden considerou o aumento da violência contra os americanos de origem asiática desde o início da pandemia como "muito preocupante".

chp/cjc/rs/dga/am