Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    47.639,71
    +1.527,42 (+3,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7577
    +0,0188 (+0,28%)
     

Projetos de mineração são foco de plebiscito no sul do Equador

Stephan Kueffner
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A incipiente indústria de mineração do Equador enfrentará outro teste no domingo, quando eleitores da terceira maior cidade do país decidirão se proíbem grandes projetos dentro de limites municipais.

Paralelamente às eleições presidenciais e legislativas, os moradores de Cuenca, ao sul da Cordilheira dos Andes, serão consultados se desejam projetos de mineração em grande escala nas bacias de drenagem de cinco rios. Embora ainda não existam grandes minas operando na área, o plebiscito ameaça descarrilar mais de 40 concessões que buscam explorar as reservas de ouro, prata e cobre.

O Equador se tornou foco de interesse em cobre e ouro, com garimpeiros e mineradoras, como BHP e Newcrest Mining, inundando o país que busca reduzir sua dependência do petróleo. Mas regras voláteis, a política e, muitas vezes, relações tensas com a comunidade inibiram os investimentos.

Em um referendo nacional há três anos, os eleitores bloquearam a mineração em áreas protegidas e urbanas. Embora o governo esperasse que isso proporcionasse segurança jurídica para os projetos em geral, os oponentes da mineração, como o prefeito de Cuenca, Pedro Palacios, recorreram aos limites para o desenvolvimento da mineração urbana para pressionar por uma proibição local também em algumas áreas rurais.

“A mineração pode ser feita em outro lugar”, não em áreas onde possa afetar o abastecimento de água da comunidade, disse Ana Cecilia Salazar, da Cabildo por el Agua, uma ONG que apoia a proibição.

No ano passado, a mineração no Equador gerou US$ 810 milhões em exportações, US$ 430 milhões em impostos e US$ 374 milhões em investimentos estrangeiros diretos. O Ministério de Energia e Recursos não respondeu a um pedido de comentário sobre o plebiscito de Cuenca.

Salazar estima que cerca de 80% dos eleitores rejeitem a mineração em grande escala nos arredores de Cuenca, semelhante aos 87% em um referendo de 2019 na vizinha Girón. Embora as restrições não sejam aplicadas à mineração em pequena escala e artesanal, ela disse que a ideia é continuar trabalhando para uma proibição total.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.