Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.131,73 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,63 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -1,53 (-2,86%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -23,70 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    37.179,69
    +1.073,84 (+2,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,26 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +77,00 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,08 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -142,00 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    +0,0791 (+1,25%)
     

Projeto de resolução afeta rating de banco que se beneficia de apoio do governo, diz Moody’s

Talita Moreira

O projeto é visto como negativo para instituições com apoio do governo O projeto de lei de resolução bancária, enviado pelo Executivo ao Congresso no dia 23 de dezembro, é negativo para as notas de crédito dos bancos que se beneficiam de um suporte do governo, afirma a agência de classificação de riscos Moody’s. Bloomberg “Como os incentivos sob um Regime de Resolução Operacional [ORR, na sigla em inglês] limitam o uso de recursos públicos para dar suporte a bancos, os ratings que hoje se beneficiam do apoio do governo devem ser reavaliados para incorporar a expectativa de redução desse apoio quando a legislação de resolução for apoiada e implementada, assim como as implicações do regime de resolução para diferentes classes de passivos”, destaca a agência em relatório a clientes. A Moody’s também ressalta que, caso a proposta seja aprovada, bancos de controle estatal não estarão mais livres de uma eventual liquidação — conforme noticiou o Valor na edição do dia 26. São os casos de Banco do Brasil, Caixa, BNDES e Banco do Nordeste. O projeto enviada pelo governo institui regimes de resolução para assegurar a solução organizada de crises bancárias e de outras instituições financeiras, evitando o uso de dinheiro público. Os passos incluem o uso do capital de acionistas e de credores para equacionar perdas patrimoniais. Recursos do Tesouro só entram em cena em último caso. Segundo a Moody’s, a proposta vai alinhar a regulação bancária do Brasil à do G-20, grupo dos 20 países mais desenvolvidos do mundo. A agência observa, no entanto, que as medidas ainda serão debatidas, votadas e eventualmente alteradas no Congresso. Com isso, não há previsão sobre quando a legislação atual deixará de vigorar.