Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.922,89
    -1.058,64 (-1,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.925,61
    -580,09 (-1,10%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,75
    +0,11 (+0,16%)
     
  • OURO

    1.982,10
    -0,70 (-0,04%)
     
  • Bitcoin USD

    27.889,87
    -115,36 (-0,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    605,03
    +5,36 (+0,89%)
     
  • S&P500

    3.951,57
    +34,93 (+0,89%)
     
  • DOW JONES

    32.244,58
    +382,60 (+1,20%)
     
  • FTSE

    7.403,85
    +68,45 (+0,93%)
     
  • HANG SENG

    19.000,71
    -517,88 (-2,65%)
     
  • NIKKEI

    26.945,67
    -388,12 (-1,42%)
     
  • NASDAQ

    12.708,25
    +19,75 (+0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6199
    -0,0025 (-0,04%)
     

Projeto quer levar internet para a Lua

BARCELONA, ESPANHA (FOLHAPRESS) - Um projeto da Nokia, em parceria com a Nasa, desenvolveu uma forma de conectar a Lua a uma rede 4G.

A empreitada foi apresentada no estande da empresa no Mobile World Congress, um dos principais eventos de tecnologia do mundo, focado em telecomunicações, que aconteceu nesta semana em Barcelona.

O dispositivo desenvolvido pela finlandesa deve ser lançado para o espaço neste ano, ainda sem data, para começar os testes da rede celular.

Inicialmente, o equipamento conectará astromóveis (veículos exploradores) por alguns dias. No futuro, a ideia é que isso sirva para conectar futuras bases de explorações instaladas na Lua.

O equipamento deve ser capaz de tanto criar a rede por lá, quanto se ligar novamente à Terra por satélite.

Wilson Cardoso, diretor de tecnologia da Nokia para a América Latina e uma das pessoas que ajudou a definir as especificações técnicas do projeto, diz que o equipamento se comportou bem em ambiente simulado. "Lá, é outra história. São temperaturas muito extremas que não temos como reproduzir aqui", diz.

Outro desafio é lidar com o solo lunar. Ele não permite fazer aterramento e, por isso, os aparelhos queimam. O teste permitirá ver se a alternativa desenvolvida sobrevive.

Fazer esse equipamento mais robusto, diz Cardoso, pode também ser útil para desenvolver produtos que aguentem condições mais extremas na Terra.

A escolha pelo 4G, num momento em que o 5G já é realidade, deu-se pela duração do projeto. Cardoso explica que a empreitada começou ainda em 2012, quando a quarta geração da internet móvel predominava.

Jornalista viajou a convite da Huawei