Mercado fechará em 4 h 53 min
  • BOVESPA

    128.151,45
    +94,23 (+0,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.052,57
    -150,23 (-0,30%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,94
    +0,90 (+1,27%)
     
  • OURO

    1.777,50
    +2,70 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    36.788,27
    -2.118,97 (-5,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    909,77
    -30,18 (-3,21%)
     
  • S&P500

    4.177,48
    -44,38 (-1,05%)
     
  • DOW JONES

    33.318,72
    -504,73 (-1,49%)
     
  • FTSE

    7.029,29
    -124,14 (-1,74%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.103,00
    -62,50 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9875
    +0,0250 (+0,42%)
     

Projeto que autoriza cultivo de cannabis medicinal avança no Congresso

·2 minuto de leitura
(Arquivo) Funcionário segura um recipiente com flores de cânhamo na Empire Standard, uma empresa de processamento e distribuição de extrato de cânhamo, em 13 de abril de 2021, em Binghamton, Nova York

A comissão especial da Câmara dos Deputados destinada a analisar o projeto de lei que legaliza o cultivo de cannabis para fins medicinais e industriais aprovou nesta terça-feira (8) a proposta.

O texto, no entanto, tem uma longa e tortuosa jornada pela frente em uma legislatura dominada por forças conservadoras. Além disso, o presidente Jair Bolsonaro alertou semanas atrás que vai vetá-lo caso seja aprovado pela Câmara e pelo Senado.

O PL 399/15 autoriza apenas empresas, ONGs e associações de pacientes a cultivar a planta cannabis - da qual é extraída a maconha - para "fins medicinais, veterinários, científicos e industriais".

Também regulamenta a comercialização de medicamentos à base de cannabis e autoriza a produção e comercialização de produtos à base de cânhamo industrial, como cosméticos, produtos de higiene pessoal e papel.

Permite ainda a importação e exportação de sementes, plantas e derivados da cannabis "para fins medicinais e industriais".

A votação na comissão especial foi acirrada (18 a favor e 17 contra). Os deputados contrários argumentaram que o projeto é mais um passo para a liberação da maconha no Brasil e o descreveram como o “marco legal da maconha”.

O relator do projeto, deputado Luciano Ducci (PSB-PR), porém, defendeu que o texto é voltado para a aplicação medicinal da cannabis, já presente, segundo ele, em 50 países. “Em nenhum momento a gente discutiu legalização da maconha para uso adulto ou individual”, declarou.

Depois de ser aprovado pela comissão especial, o projeto pode ir direto para o Senado, onde deverá passar por comissões e pelo plenário.

Mas se pelo menos 52 deputados exigirem, ele será analisado antes pelo plenário da Câmara, o que provavelmente acontecerá devido à polêmica que a questão suscita no país.

Na manhã desta terça-feira, Bolsonaro ironizou o projeto e disse que se o Partido dos Trabalhadores (PT) voltar ao poder "vai ter plantação de maconha" nos jardins do Palácio da Alvorada.

O cultivo de maconha é proibido no Brasil, mas, amparada por uma lei de 2006, a Justiça autorizou alguns indivíduos e famílias a plantar cannabis em suas casas após justificarem necessidade médica.

Em 2019, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou a fabricação de produtos à base de cannabis e sua venda em farmácias para fins medicinais e sob prescrição médica. Para fabricar e comercializar, porém, é preciso importar os insumos.

jm/mel/ll/ic/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos