Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.517,51
    +153,61 (+0,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Projeto prevê FGTS para mães pagarem creche; entenda

Projeto que prevê o uso de FGTS por mulheres para pagar creche é anunciado
Projeto que prevê o uso de FGTS por mulheres para pagar creche é anunciado
  • FGTS: além disso, as mulheres também poderão financiar cursos de qualificação com o fundo;

  • O programa ainda pretende beneficiar jovens aprendizes com aumento do tempo de contrato;

  • O governo federal vai anunciar ainda nesta quarta-feira o “Emprega + Mulheres e Jovens”

O governo federal vai anunciar ainda nesta quarta-feira (4), o “Emprega + Mulheres e Jovens”. Como o nome dá a entender, trata-se um pacote de medidas trabalhistas com propostas que beneficiam mulheres e jovens.

Para mulheres, o programa vai permitir o uso do FGTS para o pagamento de creches e para o financiamento de cursos de qualificação. Já para os jovens aprendizes, a medida pretende aumentar o limite de contrato, que atualmente é de dois anos, para três anos e, em determinadas situações, podendo chegar até 4 anos.

A desigualdade de gênero é uma dura realidade encarada pelas mulheres em diversos aspectos, inclusive no mercado de trabalho. O levantamento Estatísticas de Gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil do IBGE realizado em 2019 revelou que as brasileiras recebem 77,7% do salário dos homens. A diferença é ainda maior quando os cargos são de liderança e gerência. Nessa categoria, as mulheres ganharam apenas o equivalente a 61,9% do rendimento dos homens.

Quando essas mulheres são mães, esse abismo pode se acentuar ainda mais. Além de precisar se dividir em uma dupla jornada, a maternidade no mercado de trabalho gera inúmeros preconceitos que acarretam em demissões e até dificuldade em recolocação profissional. De acordo com estudo realizado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), após 24 meses, quase metade das mulheres que retornam da licença-maternidade são demitidas.

O levantamento analisou 247 mil mães, e destas, 50% foram dispensadas após dois anos de retorno ao emprego, ou seja, período em que a criança ainda demanda muito cuidado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos