Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.453,57
    +1.063,15 (+2,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Projeto oferece cursos ministrados por mulheres e pessoas trans a um 'preço consciente'

·2 minuto de leitura
Criadora do projeto, Fabi Kassabian defende a democratização do conhecimento por meio de cursos acessíveis (Arquivo pessoal)
Criadora do projeto, Fabi Kassabian defende a democratização do conhecimento por meio de cursos acessíveis (Arquivo pessoal)
  • A Brava oferece cursos e palestras em diferentes áreas

  • Iniciativa digital conecta professores e alunos de todo o Brasil

  • Todas as aulas são ministradas por mulheres e pessoas trans

"Vou preparar um drink enquanto a galera chega por aqui". O que parece um diálogo de mesa de bar é, na verdade, a recepção de um curso sobre a história da imprensa lésbica no Brasil. Ministrada por pesquisadores especialistas na área, a formação contou com a presença de dezenas de pessoas, sendo que cada uma delas pagou um preço diferente para participar (e algumas não desembolsaram nada). 

Leia também:

Focada na disseminação de cursos, oficinas, palestras e grupos de estudo, a Brava apostou na criação do pagamento por meio do 'valor consciente'. A modalidade permite que um mesmo curso custe preços diferentes para cada pessoa, variando de acordo com a possibilidade financeira de quem se inscreve. Também são oferecidas bolsas integrais para quem não tem condições financeiras.

"A Brava se propõe a ser um lugar que compartilha conhecimento de uma forma popular. Para possibilitar que todas as pessoas interessadas participem, cada um paga o quanto pode", explica Fabi Kassabian, 30 anos, criadora do projeto. "Isso gera uma consciência nas pessoas que o valor pago é importante para a manutenção do espaço. Inclusive, muitas pessoas pagam o maior valor porque elas entendem que o sistema permite que outras também possam acessar o curso pagamento menos".

Durante a pandemia, todas as aulas são ministradas de maneira virtual através da plataforma Zoom. Apresentadas apenas por mulheres e pessoas trans, as formações abrangem diferentes áreas como cultura, cinema, literatura e até mesmo fabricação de cervejas artesanais. 

Para além de conhecimentos instrumentais, o espaço também aposta em encontros sobre vivências e de formação de pensamento crítico. "O emocional é sempre uma coisa muito jogada de lado pela academia e pela elite, como se fosse uma coisa que não é válida. Então quando uma pessoa está brava, ela é automaticamente desqualificada porque ela está agindo pelo emocional. Nós queremos subverter essa lógica", diz Fabi.

Pessoas de qualquer lugar do país podem oferecer cursos ou participar das aulas. A agenda de cada mês é compartilhada pelo perfil do projeto no Instagram. É só preparar o drink e participar.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos