Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.061,55
    +94,04 (+0,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Projeto de lei sobre privatização da Copel avança na assembleia legislativa do Paraná

Torre de transmissão de energia

SÃO PAULO (Reuters) - A proposta do governo paranaense de privatizar a Copel, tornando-a uma companhia de capital disperso e sem acionista controlador, foi aprovada pela Assembleia Legislativa do Paraná na quarta-feira, em uma primeira votação sobre o tema, segundo informações da imprensa do órgão legislativo.

O avanço da pauta ocorre dias após o Estado do Paraná revelar seus planos de se desfazer do controle da Copel em um modelo semelhante ao da Eletrobras, o que levou as ações da elétrica paranaense a dispararem.

O projeto de lei 493/2022 precisa ser votado em segunda discussão da assembleia do Paraná. Uma sessão extraordinária para isso foi realizada também na quarta-feira, mas por ter recebido emendas de plenário, o texto retornou à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa.

A CCJ se reuniu para apreciar as emendas ainda na quarta-feira, mas a votação foi adiada após o pedido de vista dos deputados Tadeu Veneri (PT) e Homero Marchese (Republicanos), de acordo com informações do legislativo paranaense. A CCJ volta a se reunir nesta quinta-feira para deliberar os textos.

Das cinco emendas recebidas, três foram apresentadas pela Liderança da Oposição. Uma delas, por exemplo, autoriza o Estado a alienar ações da Copel desde que seja assegurado no mínimo 51% das ações ordinárias pelo Estado.

Além da assembleia legislativa, o projeto também precisa ter aprovação do Tribunal de Contas do Estado (TCE) do Paraná.

Nesta semana, o CEO da Copel não arriscou prever um prazo para que o Estado obtenha as aprovações necessárias, mas indicou que o processo deve ser influenciado pelo cronograma de renovação da principal concessão de geração da Copel, a usina hidrelétrica Foz do Areia.

(Por Letícia Fucuchima)