Mercado abrirá em 7 h 6 min
  • BOVESPA

    120.636,39
    -605,24 (-0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.495,41
    -962,61 (-2,07%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,35
    +0,37 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.850,00
    +9,80 (+0,53%)
     
  • BTC-USD

    35.376,46
    -517,79 (-1,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,63
    -13,57 (-1,90%)
     
  • S&P500

    3.798,91
    +30,66 (+0,81%)
     
  • DOW JONES

    30.930,52
    +116,26 (+0,38%)
     
  • FTSE

    6.712,95
    -7,70 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    29.718,86
    +76,58 (+0,26%)
     
  • NIKKEI

    28.441,38
    -192,08 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    13.031,50
    +46,00 (+0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5063
    +0,0077 (+0,12%)
     

Projeto de lei de apoio a Estados endividados dá alívio de R$217 bi, diz Waldery

·2 minuto de leitura
.

BRASÍLIA (Reuters) - O secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, disse nesta quarta-feira que o projeto de apoio a Estados endividados já aprovado pelo Congresso implica alívio de 217 bilhões de reais, quando contempladas todas as áreas em que o texto tem efeito.

Falando a jornalistas, Waldery lembrou que o texto retoma pontos de proposta enviada aos parlamentares pelo Executivo por meio do então Plano Mansueto. Segundo o secretário, o projeto traz um arcabouço financeiro e fiscal novo para a federação.

O projeto, de autoria do deputado Pedro Paulo (DEM-RJ), já foi apreciado pela Câmara e pelo Senado. Ele busca equacionar as dívidas dos Estados com a União, dando aval para que os entes em difícil situação fiscal possam voltar a contrair dívida, desde que se comprometam com medidas de ajuste nas contas públicas.

O texto depende agora de sanção presidencial.

A maior parcela do impacto do projeto --130 bilhões de reais-- diz respeito aos pagamentos de dívida que ficarão temporariamente suspensos por Estados que aderirem ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF), cujas regras foram flexibilizadas e os prazos de pagamento, ampliados.

A conta inclui os pagamentos do Rio de Janeiro (52,5 bilhões de reais), único Estado que já aderiu ao programa, e também de Minas Gerais (42,9 bilhões de reais), Rio Grande do Sul (25,8 bilhões de reais) e Goiás (9,5 bilhões de reais).

O projeto aprovado no Congresso reduziu de 70% para 60% o nível mínimo de comprometimento da receita corrente líquida com despesas com pessoal para que Estados possam aderir ao regime. Além disso, abriu a possibilidade de adesão a entes com despesas correntes superiores a 95% da receita corrente do ano anterior ao do pedido de adesão.

O projeto também liberou do pagamento de penalidades Estados que renegociaram a dívida em 2016 mas descumpriram regra de limitação do crescimento das despesas. Esses pagamentos somariam cerca de 43 bilhões de reais ao longo de 2021.

O texto prevê ainda benefícios com a postergação de pagamentos a organismos multilaterais e com alterações no fluxo da dívida de outros contratos, no valor de 17 bilhões de reais, e abre espaço para créditos no valor de 25 bilhões de reais.

(Por Marcela Ayres)