Mercado abrirá em 2 h 13 min
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.126,51
    +442,96 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,00
    +0,23 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.851,50
    -3,70 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    31.747,11
    -621,18 (-1,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    640,95
    -6,37 (-0,98%)
     
  • S&P500

    3.855,36
    +13,89 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    30.960,00
    -36,98 (-0,12%)
     
  • FTSE

    6.686,67
    +47,82 (+0,72%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    -767,75 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.546,18
    -276,11 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.443,50
    -32,00 (-0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6920
    +0,0558 (+0,84%)
     

Projeto de lei alemão sobre tecnologia pode deixar Huawei fora do mercado

·1 minuto de leitura
Sede no Reino Unido da Huawei

O governo alemão aprovou, nesta quarta-feira (16), um projeto de lei que impõe aos provedores de tecnologias estratégicas, como a rede 5G, uma certificação que pode levar à exclusão da chinesa Huawei, acusada de espionagem por Washington.

A coalizão entre conservadores e socialdemocratas debate há um ano e meio os contornos deste projeto que não menciona a empresa chinesa, mas endurece a regulamentação para ser admitido no mercado alemão do 5G.

O texto, que ainda deve ser aprovado pelo Parlamento, prevê que os "componentes críticos" em instalações estratégicas, como a de telecomunicações, sejam aprovados apenas "se o fabricante emitir uma declaração de confiabilidade" para o explorador da infraestrutura.

Os componentes críticos são de tal importância que uma falha ou uma ação de sabotagem contra eles teria consequências dramáticas, explica o ministério alemão do Interior em sua apresentação do projeto.

A "declaração de garantia" apresentada pelo fabricante deverá comprovar que o componente não "apresenta propriedades técnicas que permitam um uso inadequado, particularmente visando à sabotagem, à espionagem, ou ao terrorismo", segundo o projeto de lei.

O texto cobre o setor das telecomunicações, mas também o de abastecimento de água e energia e o setor da saúde.

O Ministério do Interior terá de definir as garantias mínimas, principalmente as relativas a "questões de segurança".

jpl/smk/mab/mb/aa/tt