Mercado fechará em 1 h 10 min

Projeto ecológico de hidrogênio em escala avança na França

Francois de Beaupuy

(Bloomberg) -- Enquanto a União Europeia renova esforços para fazer do hidrogênio um dos combustíveis limpos do futuro, duas gigantes industriais da França afirmam ter encontrado o projeto certo para expandir rapidamente esse setor.

Engie e Air Liquide querem construir complexos de energia solar capazes de abastecer 450.000 residências na ensolarada região da Provença, com sobra de eletricidade suficiente para produzir hidrogênio a partir da eletrólise da água. Parte do gás, que queima de forma limpa, seria vendida a refinarias e fabricantes de produtos químicos em Fos-sur-Mer, restringindo suas emissões de dióxido de carbono.

O projeto “HyGreen Provence” produziria hidrogênio a partir de fontes renováveis em uma escala muito maior do que em qualquer outro lugar, além de reduzir as emissões de CO2 provenientes das operações de refino e petroquímica.

O setor industrial francês utiliza aproximadamente 1 milhão de toneladas de hidrogênio por ano e o governo almeja que 20% a40% dessa quantia esteja livre de carbono até 2028. No entanto, as empresas precisam de subsídios do governo para realizar isso. A produção do chamado hidrogênio verde (usando eletrólise da água e sem emitir CO2) custa cerca de três vezes mais que a reforma a vapor do metano (processo usado pelas refinarias que gera o gás causador do efeito estufa).

“Para o projeto funcionar, precisamos do apoio do estado e de incentivos para as empresas migrarem para o hidrogênio verde”, disse Gwenaelle Avice-Huet, responsável por energias renováveis da Engie, em entrevista. “Precisamos ganhar escala com projetos de tamanho significativo para reduzir custos “.

Apoio da UE

A União Europeia informou que a indústria do hidrogênio se beneficiará de pacotes de estímulo destinados a recuperar as economias dos países que foram duramente atingidos pela pandemia do coronavírus. O uso do hidrogênio também deve acelerar a transição energética e ajudar a alcançar a meta do bloco de se tornar neutro em carbono até 2050.

Com esse apoio, as empresas confiam que conseguirão produzir hidrogênio a um custo competitivo até o final da década.

Em 2018, a França destinou apenas R$ 596 milhões para subsidiar a compra de veículos movidos a hidrogênio, mas a expectativa é que o país apresente um plano bem mais ambicioso nos próximos meses.

“No pacote de estímulos, investiremos massivamente em pesquisa e produção de hidrogênio na França”, afirmou o ministro das Finanças Bruno Le Maire em entrevista à Rádio Europe 1 rádio. “Talvez, seja a nova energia” que abastecerá caminhões e trens.

O projeto HyGreen Provence seria inicialmente conectado a um local de armazenamento e à rede de gás. O combustível seria usado para abastecer frotas locais de ônibus e caminhões elétricos. Sua capacidade de eletrólise seria ampliada para até 250 megawatts em 2026. Isso produziria cerca de 20.000 toneladas de hidrogênio limpo por ano, segundo Avice-Huet.

“Precisamos financiar grandes projetos-piloto para demonstrar sua viabilidade”, disse Pierre-Etienne Franc, chefe da divisão de hidrogênio da Air Liquide, a segunda maior fabricante mundial de gases industriais. A empresa também busca subsídios para desenvolver grandes eletrolisadores capazes de abastecer grandes consumidores, incluindo siderúrgicas, e plantas de liquefação para transportar o gás até clientes de menor porte.

“É fundamental desenvolver uma cadeia de suprimentos baseada em hidrogênio líquido para transportar o combustível até os usuários finais, em locais onde não seria competitivo construir um eletrolisador”, disse Franc.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.