Mercado fechado
  • BOVESPA

    96.582,16
    +1.213,40 (+1,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.801,37
    -592,34 (-1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    36,13
    -0,04 (-0,11%)
     
  • OURO

    1.867,40
    -0,60 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    13.473,23
    -69,69 (-0,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    264,05
    +21,37 (+8,80%)
     
  • S&P500

    3.310,11
    +39,08 (+1,19%)
     
  • DOW JONES

    26.659,11
    +139,16 (+0,52%)
     
  • FTSE

    5.581,75
    -1,05 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.226,75
    -116,00 (-1,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7465
    +0,0121 (+0,18%)
     

Projeto do Renda Cidadã só será apresentado depois da eleição, diz Bittar

·1 minuto de leitura
Márcio Bittar se reuniu com presidente Jair Bolsonaro, ministros e líderes de partidos (Foto: Reprodução/TV Globo)
Márcio Bittar é relator da PEC que implantaria o Renda Cidadã (Foto: Reprodução/TV Globo)

Marcio Bittar (MDB-AC), relator da PEC do Pacto Federativo, afirmou que a apresentação do projeto do Renda Cidadã ficará para depois das eleições municipais de 2020. Ao Valor, ele explicou que “percebeu a necessidade” de esperar o pleito para apresentar o parecer sobre a proposta de emenda à Constituição, que inclui o programa social.

O senador afirmou que já tinha recebido conselhos de líderes partidários e, então, decidiu consultar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que concordou com a decisão.

“Percebi essa necessidade nos últimos dois dias”, explicou Bittar ao Valor. “As pessoas chegam para você, perguntam como está isso, perguntam sobre aquilo e aí sugerem, educadamente: ‘o que você acha de deixar para depois?’. Você começa a perceber que as pessoas estão te mandando um recado.”

Leia também

O Renda Cidadã foi pensado pelo governo Bolsonaro para substituir o Bolsa Família. O programa de transferência de renda, inicialmente, seria financiado por precatórios e por uma parte do Fundeb, o que gerou críticas.