Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.381,11
    +611,22 (+2,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Projeto "caça" as primeiras galáxias para estudar o fim da era das trevas

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Um novo projeto chamado COMAP (CO Mapping Array Project) começou a estudar os sinais de rádio emitidos pelas galáxias mais distantes e antigas do universo, com objetivo de entender melhor como elas se formaram. Com a câmera de rádio mais poderosa já construída, a equipe espera observar o fim da era das trevas e vislumbrar o nascimento da luz como a conhecemos hoje.

Por meio dos sinais de rádio, os cientistas podem obter imagens dos objetos cósmicos atrás de grandes nuvens de poeira que bloqueiam a luz em outros comprimentos de onda, como a luz visível. Assim, eles terão acesso a galáxias que jamais foram observadas antes, mesmo aquelas de brilho muito fraco, para descobrir o que causou o aumento da produção de estrelas no universo após a era das trevas.

Encontrar essas galáxias não é fácil, mas os astrônomos do COMAP procura sinais de rádio que indiquem a presença de monóxido de carbono, que é sempre encontrado com o hidrogênio frio — a matéria-prima da qual as estrelas são feitas. A fase atual do projeto utiliza uma antena parabólica de 10,4 metros na Owens Valley Radio Observatory (OVRO) da Caltech.

Simulações realizadas pela equipe do COMAP (Imagem: Reprodução/The Astrophysical Journal/Creative Commons)
Simulações realizadas pela equipe do COMAP (Imagem: Reprodução/The Astrophysical Journal/Creative Commons)

Na imagem acima, à esquerda, está uma simulação mostrando as posições das galáxias em cinza, enquanto no centro há um mapa simulado da intensidade de carbono do mesmo campo. Por, fim, à direita, está um espectro de potência para o mapa de intensidade mostrado no painel central.

Os primeiros resultados científicos do projeto já foram divulgados, relatando as observações de um período de um ano. A equipe publicou os limites superiores de quanto gás frio deve estar presente nas primeiras galáxias. O projeto foi planejado para durar cinco anos, período para que as detecções diretas do sinal de carbono sejam registradas.

Quando essas detecções acontecerem, o COMAP deve mostrar um cenário rico que descreve essa era do universo. "Olhando para o futuro do projeto, pretendemos usar essa técnica para olhar cada vez mais para trás no tempo", diz Kieran Cleary, pesquisador principal do projeto. "Começando 4 bilhões de anos após o Big Bang, continuaremos recuando no tempo até chegarmos à época das primeiras estrelas e galáxias, alguns bilhões de anos antes."

Os sete artigos que descrevem os primeiros resultados do COMAP foram publicados na The Astrophysical Journal.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos