Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.774,57
    -1.140,88 (-1,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.007,16
    +308,44 (+0,62%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,70
    -0,48 (-0,73%)
     
  • OURO

    1.784,20
    +7,70 (+0,43%)
     
  • BTC-USD

    57.030,30
    -147,43 (-0,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.442,71
    -26,37 (-1,79%)
     
  • S&P500

    4.513,04
    -53,96 (-1,18%)
     
  • DOW JONES

    34.022,04
    -461,68 (-1,34%)
     
  • FTSE

    7.168,68
    +109,23 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    23.658,92
    +183,66 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    27.935,62
    +113,86 (+0,41%)
     
  • NASDAQ

    15.862,00
    -288,50 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4471
    +0,0771 (+1,21%)
     

Projeto busca qualificar professores para atuarem na iniciação esportiva de atletas paralímpicos

·2 min de leitura


Um projeto para promover a inclusão e o atendimento profissional de crianças e adolescentes com deficiência na iniciação esportiva, uma parceria entre a Secretaria Especial do Esporte do Ministério da Cidadania com o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) vai formar professores para em um Acordo de Cooperação Técnica, que vai beneficiar atletas de diversas partes do país.

A parceria pretende potencializar a capacitação de professores de educação física que atuam em projetos esportivos sociais, pensando na criança com deficiência e suas famílias que enviam seus filhos para os locais de treinamento. A ideia é que os pequenos sejam recepcionados por uma pessoa que conhece de paradesporto, que entende de deficiência e vai contribuir com a evolução dos meninos e meninas.

O acordo de cooperação com o CPB permitirá trabalhar com a perspectiva de que as crianças com deficiência estão em todos os lugares do país e precisam de profissionais aptos a atendê-los.

Processo em três etapas

A formação dos professores será em três etapas. A primeira será o curso de Introdução ao Movimento Paralímpico. As aulas já foram gravadas e estão disponíveis 100% online. Os professores podem assistir no dia e na hora em que desejarem. Para avançar às etapas seguintes da capacitação, o professor precisa finalizar esse curso de introdução.

Na segunda etapa, os profissionais têm acesso ao curso de Formação Básica. Com carga horária maior, a dinâmica é diferente. As aulas são ministradas ao vivo, de forma virtual, com a exigência de presença mínima para receber a certificação. Na Formação Básica, os educadores são formados para atender efetivamente as pessoas com deficiência.

O terceiro estágio é focado no curso de Habilitação Técnica. Os professores são formados para se tornarem treinadores nas modalidades paralímpicas em que atuam, como natação ou atletismo, por exemplo. Segundo o secretário, nesta etapa o termo de cooperação técnica vai ajudar o CPB a suprir a necessidade de formar novos treinadores.

Na estrutura administrativa do CPB existe um departamento chamado Educação Paralímpica. A entidade tem a meta de capacitar cerca de 100 mil professores de educação física no Brasil até 2025. Com o termo de cooperação, a ideia é otimizar esse processo já existente.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos