Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.560,83
    +363,01 (+0,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.326,68
    +480,85 (+1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,53
    +0,08 (+0,09%)
     
  • OURO

    1.718,00
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    20.037,95
    -290,60 (-1,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    455,76
    -7,37 (-1,59%)
     
  • S&P500

    3.744,52
    -38,76 (-1,02%)
     
  • DOW JONES

    29.926,94
    -346,93 (-1,15%)
     
  • FTSE

    6.997,27
    -55,35 (-0,78%)
     
  • HANG SENG

    17.809,09
    -203,06 (-1,13%)
     
  • NIKKEI

    27.165,87
    -145,43 (-0,53%)
     
  • NASDAQ

    11.540,00
    -1,75 (-0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1038
    -0,0097 (-0,19%)
     

Projeções do Fed devem mostrar fé abalada em pouso suave da economia

Por Ann Saphir e Howard Schneider

WASHINGTON (Reuters) - Quanta fé as autoridades do Federal Reserve ainda têm nas perspectivas de um "aterrissagem suave" ao tomarem medidas agressivas para reprimir a inflação mais alta em 40 anos será revelada nesta quarta-feira, quando o banco central norte-americano divulgar novas previsões macroeconômicas.

As projeções dos 19 formuladores de política monetária --a serem publicadas em conjunto com o provável anúncio do terceiro aumento consecutivo dos juros de 75 pontos-base pelo Fed-- não devem convergir em torno de um salto maciço no desemprego ou uma contração da economia.

Esses foram os resultados da última vez que o Fed, sob a liderança de Paul Volcker, lutou contra a inflação superalta nos anos 1980.

Embora o novo resumo trimestral das estimativas dos formuladores de política monetária possa parecer descartar uma aterrissagem "dura" no estilo Volcker, é amplamente esperado que aponte desemprego notavelmente mais alto e um crescimento econômico mais lento no próximo ano. Isso, pelo menos com base numa famosa medida de referência, poderia sinalizar uma recessão de algum tipo.

Essa referência --conhecida como a Regra de Sahm, em homenagem à ex-funcionária do Fed Claudia Sahm, que a identificou e formalizou-- diz que a economia dos EUA normalmente está em recessão quando a média móvel de três meses da taxa de desemprego sobe 0,5 ponto percentual acima da menor taxa de três meses ao longo dos 12 meses anteriores. Essa mínima atualmente é de cerca de 3,56%.

Economistas consultados pela Reuters esperam que a taxa de desocupação suba para 4,1% no segundo trimestre de 2023 e para 4,3% no quarto trimestre --muito abaixo dos 14,7% alcançados na crise da pandemia ou do pico de 10,8% durante a recessão de Volcker, mas alta o suficiente para cumprir o teste da Regra de Sahm.

Historicamente, uma vez que a taxa de desemprego aumenta 0,5 ponto percentual, ela continua a subir mais 1 ou 2 pontos, se não mais.

As projeções dos formuladores de política monetária para a economia dependem de seus pontos de vista sobre a configuração apropriada da política monetária, que também terá seus prognósticos publicados nesta quarta-feira como parte do resumo trimestral de projeções econômicas do Fed, ou SEPs.

RECESSÃO À FRENTE?

As projeções de quarta-feira também darão uma leitura sobre a rapidez com que as autoridades do Fed esperam que suas ações diminuam a inflação e quanto a economia deve desacelerar.

Nas estimativas informadas em junho, a inflação permanecia acima da meta de 2% do Fed até 2024, enquanto nem mesmo o mais pessimista integrante do Fomc esperava que a economia retraísse nos próximos trimestres. A maioria apostava no crescimento do PIB entre 1,3% e 2% para cada um dos próximos três anos.

"As novas projeções econômicas destacarão a tolerância do Fed à dor, com o crescimento real do PIB provavelmente revisado significativamente para baixo", escreveu o economista-chefe do EY Parthenon, Gregory Daco, acrescentando que a previsão para a taxa de desemprego no próximo ano seria muito superior a 4,5%.

Os prognósticos de inflação, no entanto, podem ficar próximos aos estabelecidos em junho, disse ele, em meio a "duelo de forças da persistência da inflação e uma postura mais agressiva do Fed e provável recessão".