Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.982,41
    -548,16 (-0,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Programa de Alimentos da ONU vai atender crianças na Venezuela

·2 minuto de leitura
Maduro (d) e Beasley se cumprimentam após a assinatura do acordo, no palácio presidencial

O Programa Mundial de Alimentos (PMA) da ONU e o governo da Venezuela fecharam nesta segunda-feira um acordo para atender à alimentação de crianças, em meio à grave crise econômica no país, onde a pobreza disparou.

O convênio, que tem um orçamento anual de 190 milhões de dólares, foi assinado em Caracas pelo diretor executivo do PMA, David Beasley, que está na Venezuela desde domingo, e o presidente do país, Nicolás Maduro. "Tivemos um trabalho árduo, mas o que está claro é que é nosso compromisso responder às necessidades das crianças venezuelanas", disse Beasley.

"Acredito que estamos dando um bom passo", comemorou Maduro, que disse estar agradecido e que o acordo representa "o primeiro passo de um conjunto de projetos ambiciosos para o apoio alimentar à Venezuela".

O convênio irá beneficiar 185 mil crianças até o fim do ano e deve oferecer refeições diárias a 1,5 milhão de estudantes até o fim do ano letivo de 2022-2023, segundo um comunicado divulgado no site do PMA. O orçamento anual previsto faz parte do Plano de Resposta Humanitária da Venezuela das Nações Unidas.

Beasley também se reuniu com o líder opositor Juan Guaidó, que publicou fotos do encontro no Twitter. "Agradeci a ele, em nome dos venezuelanos, por seu esforço para que o @WFP_es possa iniciar operações no país e se possa combater a fome da qual padecem milhões de venezuelanos", tuitou Guaidó, reconhecido como presidente encarregado da Venezuela por meia centena de países.

O país enfrenta a pior crise econômica de sua história moderna, com hiperinflação, sete anos de recessão e sanções financeiras lideradas pelos Estados Unidos para tentar tirar Maduro do poder. Quatro em cada cinco venezuelanos não têm renda para comprar a cesta básica, segundo a Pesquisa Nacional de Condições de Vida, realizada pelas principais universidades do país.

atm/pgf/jt/yow/lb