Mercado fechado

5 profissões que correm risco de extinção

O mercado de trabalho muda o tempo todo, de modo que, se você não se preparar para o futuro, pode acabar sendo ultrapassado. Profissões que eram certeiras no passado, muito em breve podem deixar de existir.

Pensando nisso, preparamos uma lista de profissões que correm risco de extinção na próxima década, segundo analistas e institutos de pesquisa. Alguns desses profissionais serão substituídos por robôs e outros simplesmente devem cair em obsolescência.

Vale a pena se preparar para o futuro. Confira se a sua carreira está na lista.

Operadores de telemarketing

Foto: Getty

Com o avanço da internet, mais e mais empresas usam canais digitais e redes sociais para entrar em contato com o consumidor, abandonando o telefone. Cerca de 55% da população mundial e 64% dos brasileiros já têm acesso à internet, números que só aumentam ano a ano. Pode não demorar até que os centros de call center sumam da face da Terra.

Caixas

Foto: Getty

Máquinas de autoatendimento já estão em todo lugar, como lanchonetes e supermercados, no mesmo ritmo em que pagamentos digitais substituem o dinheiro em espécie. A tendência é que as empresas continuem trocando atendentes humanos por computadores e telas sensíveis. A gigante Amazon, por exemplo, já tem minimercados nos Estados Unidos sem qualquer funcionário humano.

Profissionais de contabilidade

Foto: Getty

Segundo um estudo recente do instituto francês Sapiens, o número de profissionais de contabilidade na França caiu 23% desde 2004. Programas de computador estão cada vez mais equipados para realizar basicamente as mesmas tarefas que muitos contadores do passado. A perspectiva para o futuro é de encolhimento: com o avanço da inteligência artificial, a tendência é que os programas de computador fiquem ainda mais rápidos e confiáveis que humanos para fazer contas e interpretar grandes volumes de dados.

Analista de investimento

Foto: AP/Ahn Young-joon

Um terço das vagas em bancos de investimento dos Estados Unidos desapareceram desde o ano 2000 até hoje. O motivo? Acertou quem disse "tecnologia". Softwares já fazem há muito o tempo o trabalho que um dia foi de ficar no telefone comprando e vendendo ações. Mais do que isso, robôs de operações em alta frequência (HFT) já fazem mais de 50% das transações na bolsa norte-americana, numa velocidade de compra e venda que nenhum humano consegue imitar.

Recrutadores e profissionais de RH

Foto: Getty

A função burocrática de lidar com documentos e benefícios de funcionários será a primeira a ser substituída por robôs em departamentos de RH pelo mundo. Mas até mesmo a função de recrutar novos talentos selecionando currículos já tem sido substituída por máquinas com inteligência artificial, como o Watson, da IBM, capazes de calcular com precisão os perfis ideias de profissionais coletando dados de redes sociais e outras fontes.