Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.964,01
    +1.054,98 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.655,29
    -211,86 (-0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,45
    +0,53 (+0,82%)
     
  • OURO

    1.838,40
    +0,80 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    56.528,90
    +817,51 (+1,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.513,93
    +1.271,26 (+523,84%)
     
  • S&P500

    4.152,10
    -36,33 (-0,87%)
     
  • DOW JONES

    34.269,16
    -473,66 (-1,36%)
     
  • FTSE

    6.947,99
    -175,69 (-2,47%)
     
  • HANG SENG

    28.013,81
    -581,89 (-2,03%)
     
  • NIKKEI

    28.608,59
    -909,71 (-3,08%)
     
  • NASDAQ

    13.317,00
    -39,75 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3454
    +0,0052 (+0,08%)
     

Profissionais querem seguir em trabalho remoto, mas não todo dia

Natalie Wong
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Profissionais que trabalham em escritórios começam a se acostumar com as vantagens do teletrabalho e esperam que o esquema continue mesmo após o fim da pandemia. Mas a maioria não está pronta para deixar totalmente o escritório, segundo pesquisa da Jones Lang LaSalle.

A maioria dos profissionais deseja continuar trabalhando em casa pelo menos dois dias por semana, de acordo com a pesquisa da corretora com mais de 2 mil trabalhadores no mundo todo. Apenas 26% quer trabalhar em casa em tempo integral depois do fim da pandemia de Covid-19.

“A crise revelou uma necessidade real de abordar a qualidade de vida e o equilíbrio entre vida profissional e pessoal”, disse por telefone Marie Puybaraud, responsável global de pesquisa da JLL Corporate Solutions.

A maioria dos trabalhadores também espera que seus chefes ofereçam suporte para as necessidades de trabalho em casa, incluindo um subsídio específico, cobertura de despesas com eletricidade e Internet e ferramentas de tecnologia, segundo a pesquisa.

Empresas tentam avaliar a quantidade de espaço físico de que precisam à medida que mais funcionários se acostumam a trabalhar remotamente. As ações dos maiores proprietários de escritórios despencaram neste ano diante do aumento da oferta nos principais mercados. O índice da Bloomberg de fundos de investimento imobiliário de escritórios acumula queda de cerca de 24% em 2020.

Ainda assim, o engajamento dos funcionários diminuiu com o prolongamento do trabalho remoto. A maioria dos trabalhadores pesquisados concorda que o escritório é mais propício à colaboração: 66% dos entrevistados preferem um modelo híbrido.

“Trabalhar em casa não é uma panaceia, é difícil, traz um conjunto totalmente diferente de estressores”, disse Neil Murray, CEO da JLL Corporate Solutions. “Também há um desejo de voltar a esse senso de comunidade e criatividade do escritório.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.