Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    49.641,64
    +1.008,95 (+2,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Professores de pré-vestibular comunitário 'acertaram' tema da redação do Enem 2020

Constança Tatsch
·2 minuto de leitura
Divulgação

RIO — Alguns candidatos sentiram uma pitada de conforto na tarde do último domingo ao se depararem com o tema da redação do Enem 2020. Os alunos do pré vestibular UniFavela, do Complexo da Maré, já tinham abordado tema semelhante em sala.

E mais: os professores usaram, na ocasião, um dos mesmos materiais de apoio oferecidos na prova, um gráfico com números das doenças mentais no Brasil.

Segundo a professora de redação do curso, Barbara Rufina de Sousa, o tema não foi exatamente igual, porque o Enem abordava o estigma que envolve as doenças mentais, mas estava no mesmo eixo temático.

— Ficamos felizes e animados quando vimos o tema, porque, de alguma forma, era um assunto que eles poderiam se recordar, tema, materiais de apoio, nossas conversas. Foi algo mais familiar — afirma Sousa, acrescentando que alguns alunos já a procuraram para comentar a coincidência e disseram que “se sentiram mais confortáveis” por ter que escrever sobre algo conhecido.

A aula com o tema das doenças mentais aconteceu cerca de um mês e meio depois do início da pandemia. Segundo o professor Laerte Breno, um dos fundadores do UniFavela, foram trabalhados temas por trás da pandemia, como trabalho informal, distribuição de renda e saúde mental.

Breno vê uma contradição entre a realização da prova em meio à pandemia e o tema em si:

— Para fazer a prova, o aluno teve que escolher entre seu destino ou colocar sua vida em risco. Foi um tema contraditório, devido às condições de aplicação da própria prova, que eram tão desfavoráveis, especialmente para um aluno de uma favela. E nessas circunstâncias o que dificulta é evitar a pessoalidade. Como falar de algo que me abalou todo o processo? — questiona.

Uma pequena vitória para uma equipe e alunos que enfrentaram tantos obstáculos ao longo do ano, como diz Barbara Sousa, como acesso à tecnologia, computador, aulas remotas e todo o contexto da pandemia na favela.