Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    50.323,46
    +714,66 (+1,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Professores de rede estadual de SP fazem protesto contra volta das aulas presenciais

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
(Foto: Reprodução CNN)
(Foto: Reprodução CNN)

Professores da rede pública estadual de São Paulo realizaram hoje protesto contra a volta das aulas presenciais no estado, prevista para 8 de setembro. Os docentes reivindicaram também o pagamento de salário e auxílio emergencial aos professores eventuais da rede estadual, remunerados apenas pelas aulas dadas.

O protesto começou nos arredores do estádio do Morumbi, na zona sul de São Paulo, e seguiu para o Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista. A manifestação foi organizada pela Apeoesp (Sindicato do Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo). Para evitar aglomeração, a maioria dos professores permaneceu em seus carros durante o trajeto. Segundo a Apeoesp, 260 veículos participaram do ato.

Em coletiva de imprensa no dia 17 de julho, o governador do estado, João Doria (PSDB), e seu secretário de Educação, Rossieli Soares, reafirmaram a previsão de volta às aulas presenciais na rede pública para dia 8 de setembro. A volta às atividades nas escolas depende de todo o estado estar na fase amarela do Plano São Paulo.

A presidente da Apeoesp e deputada estadual, Professora Bebel (PT) disse que as escolas não têm estrutura para seguir o protocolo sugerido pelo governo tucano.

Em coletiva realizada hoje, Doria afirmou que o protesto dos professores possui "viés político e extremado" e disse que há um "diálogo permanente" entre os docentes e o governo.