Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.596,86
    +973,06 (+2,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Professor prende pé de aluno em cadeira com fita adesiva em escola pública no Espírito Santo

·2 minuto de leitura

BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) - Um aluno do ensino fundamental teve o pé preso à cadeira com fita adesiva pelo professor durante aula em escola da rede municipal de ensino de Vitória, no Espírito Santo, nesta terça-feira (15).

O professor foi afastado do cargo por medida cautelar, segundo a Secretaria Municipal de Educação. ​A Delegacia de Proteção à Criança e Adolescente (DPCA) investiga o caso, conforme informações da Polícia Civil do estado.

Não foi informado o que teria levado o professor a amarrar o estudante à cadeira, nem a idade e em qual ano escolar ele está matriculado. A Prefeitura de Vitória afirmou que se solidariza com o aluno e sua família, e que "repudia qualquer forma de violência", conforme nota.

Um processo administrativo disciplinar está sendo aberto, conforme a prefeitura, para investigar a atitude do professor. Uma equipe técnica da secretaria da Educação esteve na escola para apurar os fatos.

O município também não informou o nome da escola em que houve o fato. O objetivo, segundo a prefeitura, é preservar o aluno e sua família. A gestão municipal ainda afirma que o garoto está recebendo apoio e acompanhamento de profissionais da secretaria de Saúde.

Relatório enviado ao Conselho Tutelar da regional de Maruípe, responsável pela escola onde o aluno foi amarrado, cita suposto histórico de hiperatividade do estudante.

"Mas em hipótese alguma isso deveria ter ocorrido. É uma situação extremamente grave", afirma Rosenita Pereira, coordenadora do conselho.

A família será acompanhada por equipe do Conselho Tutelar e orientada sobre os procedimentos a serem tomados perante a Justiça, segundo Pereira.

Como a criança tem representantes legais, no caso, os pais, o conselho assume somente o papel de orientador, não tomando a frente em relação a procedimentos judiciais.

Uma das primeiras orientações que deverá ser dada pelo conselho, segundo a coordenadora, será sugerir a transferência do estudante da escola.

A coordenadora do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Estado do Espírito (SindUPES) em Vitória, Dorzilia Vaz, afirmou que o episódio será discutido nesta sexta-feira (18) em reunião da entidade.

"A informação inicial que temos é que o professor estava passando por problemas psicológicos, e também ajudava um irmão com graves problemas de saúde", disse Dorzília.

A representante do sindicato afirmou ainda que o caso será acompanhado por interesse da categoria, mas que o professor não é filiado ao SindUPES, não procurou a entidade e contratou advogado particular --o nome não foi informado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos