Mercado fechado

Produzir compostos orgânicos em Marte será possível com a ajuda de bactérias

Daniele Cavalcante

A colonização de Marte é um dos planos de agências espaciais como a NASA e de empresas como a SpaceX, mas, para isso, será preciso criar meios de produzir uma série de recursos por lá. Pesquisadores já têm várias propostas para resolver o problema da alimentação e habitação, mas também será necessária uma enorme variedade de compostos orgânicos para isso.

Enviar para Marte coisas como combustíveis e remédios, entre outros derivados de compostos orgânicos, seria muito caro. Por isso, cientistas estão buscando meios de produzir tudo o que for possível lá no Planeta Vermelho. Felizmente, uma equipe de químicos liderada por Peidong Yang têm um plano para isso: um sistema híbrido que combina bactérias e nanofios.

Essa combinação poderia capturar a energia da luz solar para converter dióxido de carbono, e água seria convertida em moléculas orgânicas. “Em Marte, cerca de 96% da atmosfera é CO2”, explica Yang. “Basicamente, tudo o que você precisa são esses nanofios semicondutores de silício para absorver a energia solar e repassá-la a esses bichinhos [as bactérias] para fazer a química para você”.

Nanofios de silício como vistos através de um microscópio eletrônico

Nanofios são finos fios de silício com cerca de um centésimo da largura de um cabelo humano, usados ​​como componentes eletrônicos. Assim como as bactérias, são pequenos o suficiente para serem transportados em naves espaciais sem quase nenhum impacto em termos de peso e quantidade de carga, coisas importantes de se calcular na hora de planejar o orçamento de um voo espacial.

Além dos nanofios e das bactérias, os demais ingredientes são encontrados no próprio Planeta Vermelho - luz solar e água. As moléculas resultantes podem servir como blocos de construção para uma variedade de moléculas orgânicas, úteis para coisas como desde combustíveis e plásticos a drogas para fabricação de medicamentos. Muitos outros produtos orgânicos podem ser criados, como bactérias ou leveduras.

Yang também está trabalhando em sistemas para produzir açúcares e carboidratos a partir da luz solar e do CO2, o que poderia enriquecer ainda mais a produção de alimentos em Marte. Seu laboratório também procura maneiras de aumentar a eficiência do bio-híbrido e explora técnicas de engenharia genética das bactérias para torná-las mais versáteis, capazes de produzir uma variedade maior de compostos orgânicos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: