Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.095,53
    +537,86 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.056,27
    +137,99 (+0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,61
    +0,25 (+0,35%)
     
  • OURO

    1.783,80
    -1,70 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    50.734,91
    +89,70 (+0,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.320,56
    +15,44 (+1,18%)
     
  • S&P500

    4.701,21
    +14,46 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.754,75
    +35,32 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    23.996,87
    +13,21 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    28.860,62
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    16.380,00
    -12,25 (-0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2818
    +0,0077 (+0,12%)
     

Produtos em alta para a Black Friday podem ter mais de 72% de impostos

·2 min de leitura

Eletrônicos e eletrodomésticos são os produtos mais procurados na Black Friday. Eles são, também, os itens com mais tributos embutidos no preço final, de acordo com a tabela do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT). O videogame é o mais tributado, com carga de 72,18%. Em seguida vem o smartphone, que tem 68,76% do valor destinados à arrecadação pública.

Segundo Cláudio Carneiro, o professor de Direito tributário e Compliance da Faculdade Instituto Rio de Janeiro, os encargos são maiores em razão da tributação indireta, ou seja, do efeito cascata que onera a cadeia produtiva desses equipamentos. "Todo esse custo é repassado ao consumidor final — é a chamada repercussão tributária”, diz.

O efeito dominó ocorre em razão da incidência de imposto de importação, imposto sobre produtos industrializados, imposto sobre a circulação de mercadorias e serviços, PIS/COFINS e outros. O advogado Tributarista do VC Advogados, Roberto Nogueira, diz que a tributação não sofre redução na Black Friday. "Por isso, é importante analisar se há descontos agressivos e levar em conta a carga tributária dos produtos para não ter prejuízo."

Por isso, os consumidores que pretendem comprar na data devem ficar atentos à tributação dos produtos. Uma geladeira, por exemplo, tem 46,21% de tributos, um fogão de quatro bocas tem 41,22%, uma TV tem cerca de 45% de encargos e um tablet importado, carrega em média 59,32% de tributos.

Impostos compõem boa parte do preço (Imagem: Reprodução/Envato/dolgachov)
Impostos compõem boa parte do preço (Imagem: Reprodução/Envato/dolgachov)

A carga tributária é a soma da arrecadação de todos os tributos (impostos, taxas e contribuições) sobre a renda e o consumo, em relação ao Produto Interno Bruto (PIB). Quando ela afeta cadeia de consumo de bens e serviços, o consumidor final não tem muito que fazer. "Talvez buscar um produto importado similar ou, simplesmente, não comprar, pois com a alta do dólar a opção de compras no exterior deixou de ser atraente", aponta Carneiro.

Nem mesmo a reforma tributária deve mudar isso, já que não está prevista mudança na forma de cobrança dos impostos indiretos. "O Custo Brasil faz que o empresário e o consumidor não aproveitem todo o potencial da data. A alta carga tributária somada à burocracia afasta investimentos e prejudica a competitividade”, destaca Nogueira.

Veja o percentual de tributos incidentes sobre os produtos mais buscados na Black Friday:

  • Computador acima de R$ 3 mil: 33,62%

  • Computador até R$ 3 mil: 24,30%

  • Fogão 4 Bocas: 41,22%

  • Geladeira: 46,21%

  • Home theater: 44,94%

  • Tablet importado: 59,32%

  • Tablet nacional: 37,79%

  • Videogame: 72,18%

  • Máquina de lavar roupas: 42,56%

  • Máquina fotográfica: 48,21%

  • Telefone celular nacional: 39,80%

  • Smartphone importado: 68,76%

  • Televisor: 44,94%

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos