Mercado fechado

G20 não chega a acordo para cortar oferta de petróleo

Vista aérea do complexo da empresa petroleira mexicana PEMEX em Azcapotzalco, em 4 de fevereiro de 2019

Os ministros da energia dos países do G20 não chegaram a um acordo sobre o eventual corte na produção de petróleo, e o comunicado à imprensa divulgado no sábado após longas negociações não mencionou nenhuma redução.

As negociações duraram toda sexta-feira para tentar chegar a um acordo sobre uma queda significativa na produção de petróleo, inicialmente bloqueada pelo México.

Um acordo entre os Estados Unidos e o México para ajudar o lado mexicano a completar a cota de redução exigida pelos produtores parecia remover um obstáculo a um acordo global.

O comunicado conjunto emitido após o final da cúpula virtual organizada pela Arábia Saudita, o maior exportador de petróleo do mundo, inclui compromissos para cooperação futura na luta contra a pandemia de coronavírus, mas não menciona nenhuma redução.

"Estamos comprometidos em garantir que o setor de energia continue a dar uma contribuição completa e eficaz para derrotar o COVID-19 e permitir a recuperação global (econômica)", disseram os ministros no comunicado.

"Estamos comprometidos em tomar todas as medidas necessárias e imediatas para garantir a estabilidade do mercado de energia", acrescentaram.

- Busca por acordo -

Segundo Seamus O'Regan, representante do Canadá na reunião, os ministros "não discutiram os números" de uma possível redução na produção.

"As discussões que ocorreram hoje foram sobre uma solução multilateral para resolver essa instabilidade" de preços. "Não estamos falando de números, não se trata de números", disse O'Regan, ministro de Recursos Naturais do Canadá, durante entrevista coletiva após a reunião. Segundo ele, o grupo se reunirá "em breve".

Devido ao confinamento de metade da população mundial para limitar a pandemia do novo coronavírus, a demanda por petróleo está em queda livre, apesar de a oferta já estar em excesso.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), informou pela manhã sobre o acordo de redução da oferta mundial de 10 milhões de barris por dia (mbd) em maio e junho.

O compromisso foi obtido em uma reunião que terminou nas primeiras horas dos principais países produtores de petróleo, incluindo a Rússia, que não é membro do cartel, mas é o segundo maior produtor do mundo.

O México, que não é membro da Opep, não aprovou, o ue seria essencial para endossar o acordo na reunião, pois considerou excessivo seu esforço necessário (redução da produção de 400.000 barris por dia) em comparação com outros países.

Horas depois, o presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador anunciou ter chegado a um acordo com seu colega dos EUA, Donald Trump, para reduzir a produção de petróleo de seu país.

"O México cortará 100.000 barris e isso significaria que eles têm 250.000 a 300.000 barris a menos. Nós compensaríamos a diferença, eles nos reembolsariam em uma data posterior", disse Trump, acrescentando que alcançar essa meta precisará cortar "alguma produção nos Estados Unidos".

A retirada dos 10 mdb em maio e junho, e após oito mdb de julho a dezembro, ficaria a cargo principalmente da Arábia Saudita e da Rússia, mas pelo menos outros 20 países devem participar do esforço.

Segundo o representante do Canadá, Seamus O'Regan, os ministros de energia do G20 "não discutiram as cifras" sobre a possível redução da oferta mundial de petróleo na reunião desta sexta-feira.

"As discussões que ocorreram hoje foram sobre uma solução multilateral para resolver essa instabilidade" de preços. "Não estamos falando de números", disse O'Regan em entrevista coletiva após a reunião.

"Nesta fase do jogo, tratou-se de conversar sobre política e um compromisso coletivo de usar todas as ferramentas disponíveis para melhorar essa estabilidade. Criamos um think tank de curto prazo que será responsável por garantir e informar sobre medidas de resposta coordenadas", explicou.

- Círculo ampliado -

Alguns meses atrás, o preço do barril estava em torno de 60 dólares, mas no início da semana passada caiu para níveis nunca vistos desde 2002. O preço está abaixo de 21 dólares atualmente.

Por esse motivo, os 13 países da OPEP e seus 10 Estados parceiros, com os quais formam a aliança OPEP+, tentam reagir.

Para organizar essa reunião extraordinária, a Arábia Saudita e a Rússia retomaram o diálogo e encerraram a guerra de preços e de participação de mercado desencadeada após a última cúpula, em 6 de março em Viena: Moscou fechou a porta à Opep e Riade abriu suas comportas e vendeu petróleo a preços baixos para a Europa.

Mesmo com o anúncio do acordo, vários analistas duvidam que os cortes acordados farão os preços aumentarem.

"Um corte de 10 mdb em maio e junho impedirá alcançar os limites de armazenamento e os preços não cairão no abismo, mas não restaurará o equilíbrio de mercado", segundo os analistas da Rystad Energy.

Ansiosos por formar a maior coalizão possível, Riade e Moscou expandiram o círculo de participantes da reunião, convidando muitos produtores externos.

Em seu discurso introdutório, o ministro da Energia da Rússia, Alexander Novak, aplaudiu a presença de mais nove países, incluindo Canadá e Noruega.

Os Estados Unidos também foram convidados, mas, apesar do envolvimento de Donald Trump em favor de um acordo, seu país não pode participar diretamente das discussões em razão de suas leis antitruste.

O país, que também não é membro da OPEP+, quer uma redução na oferta para estabilizar os preços e dar ar à sua indústria de óleo de xisto, que passa por grandes dificuldades.

Uma nova reunião da Opep está agendada para 10 de junho "para decidir mais medidas, quantas forem necessárias para equilibrar o mercado".