Mercado fechará em 1 h 14 min
  • BOVESPA

    129.955,27
    -252,69 (-0,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.854,17
    -175,37 (-0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,14
    +1,26 (+1,78%)
     
  • OURO

    1.859,00
    -6,90 (-0,37%)
     
  • BTC-USD

    40.934,29
    +1.005,96 (+2,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.019,15
    +8,54 (+0,85%)
     
  • S&P500

    4.249,26
    -5,89 (-0,14%)
     
  • DOW JONES

    34.317,57
    -76,18 (-0,22%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.026,25
    -98,50 (-0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1288
    -0,0027 (-0,04%)
     

Produtores argentinos ameaçam mais protestos contra veto a exportações de carne

·1 minuto de leitura
Trabalhadores em fábrica de processamento de carne em San Fernando, na Argentina

Por Jorge Otaola

BUENOS AIRES (Reuters) - Produtores rurais da Argentina ameaçaram ampliar medidas de protesto se o governo não recuar em um veto a exportações de carne, adotado no país como ação emergencial para aumentar a oferta doméstica em meio a um salto na inflação.

Produtores no país da América do Sul pararam negociações domésticas de gado para protestar contra a medida do governo. A Argentina é uma importante exportadora de grãos, incluindo soja, milho e trigo, e uma das principais exportadoras de carne bovina do mundo.

"Se não tivermos respostas (do governo), os produtores pedirão medidas mais profundas, com participação de todo o setor agrícola", disse o presidente das Confederações Rurais Argentinas, Jorge Chemes, em entrevista à Rádio Milenium no sábado.

O governo do presidente de centro-esquerda Alberto Fernandéz vetou exportações de carne neste mês, por período de 30 dias, visando conter os preços domésticos dos alimentos em meio a uma longa crise econômica no país que foi aprofundada pela pandemia de Covid-19.

O movimento gerou uma disputa entre o governo e o poderoso setor agrícola do país, que domina exportações que são chave para que o país obtenha moeda estrangeira.

Chemes disse que os produtores prorrogaram a suspensão das negociações de gado até a próxima quarta-feira, uma vez que não receberam respostas do governo.

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 5644 7519)) REUTERS LC