Mercado fechará em 3 h 59 min

A produtora Live Nation anuncia vários shows drive-in

O cantor Darius Rucker, à esquerda, está na lista de artistas que farão shows "seguros" programados pela Live Nation nos Estados Unidos

Uma das maiores produtoras de shows, a Live Nation, anunciou nesta segunda-feira (22) os seus primeiros espetáculos de verão no modelo "drive-in", quando os espectadores veem ao show de dentro do carro, depois de meses de eventos cancelados por causa do novo coronavírus.

Os músicos country Brad Paisley e Darius Rucker estarão entre os artistas que encabeçaram a série de apresentações junto com o rapper e cantor Nelly, que comemora o vigésimo aniversário do álbum "Country Grammar".

Durante o final de semana de 10,11 e 12 de julho, "Live From The Drive-In" terá nove apresentações, nas cidades de St. Louis, Nashville e Indianapolis.

A Live Nation disse que será permitido ao público levar suas próprias cadeiras, comida e bebidas para aproveitar os shows nos estacionamentos em frente ao palco.

Cada carro irá dispor de um espaço demarcado, onde poderá estacionar para garantir o distanciamento social entre o público, disse a produtora.

"Em todo o mundo, estamos vendo um verdadeiro entusiasmo por parte dos nossos fãs e artistas para voltar a ter a experiência de ir a shows de uma forma segura", disse Tom See, diretor de locais e shows nos Estados Unidos da Live Nation, em comunicado.

See descreveu a programação de julho como "uma série de shows ao ar livre completamente única que permitirá aos fãs aproveitarem os espetáculos ao vivo de novo, enquanto estão socialmente distantes".

Cada entrada valerá para um carro com no máximo quatro pessoas a bordo.

A capacidade será para 600 a 1.000 carros, dependendo da cidade, disse um representante da Live Nation à AFP.

"Sinto falta de tocar! É hora de mudar isso. Estou animado para subir no palco", escreveu no Twitter Rucker, um artista solo e também vocalista e guitarrista da banda de rock Hootie & the Blowfish, dos anos 90, que tocará em Nashville.

A pandemia forçou a indústria do entretenimento a tentar encontrar maneiras diferentes de realizar shows ao vivo, já que milhões de pessoas em todo o mundo tiveram que ficar em casa confinadas.

A maioria dos eventos ao vivo foram adiados ou cancelados, incluindo o gigantesco festival Coachella, como forma de tentar impedir a propagação da COVID-19.

A Billboard estima que o setor possa ter uma perda de US$ 10 bilhões e US$ 12 bilhões, enquanto milhares de funcionários da produção dos shows e outros profissionais relacionados à indústria estão desempregados.