Mercado fechará em 3 h 15 min
  • BOVESPA

    115.123,79
    -543,99 (-0,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.397,73
    +246,35 (+0,55%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,63
    +0,41 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.776,40
    -21,50 (-1,20%)
     
  • BTC-USD

    51.029,37
    +1.737,50 (+3,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.021,71
    +27,05 (+2,72%)
     
  • S&P500

    3.877,56
    -47,87 (-1,22%)
     
  • DOW JONES

    31.700,71
    -261,15 (-0,82%)
     
  • FTSE

    6.655,63
    -3,34 (-0,05%)
     
  • HANG SENG

    30.074,17
    +355,93 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.168,27
    +496,57 (+1,67%)
     
  • NASDAQ

    13.092,00
    -210,00 (-1,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7188
    +0,1483 (+2,26%)
     

Produção de veículos cresce 4,2% em janeiro, mas ainda sofre efeitos da pandemia

EDUARDO SODRÉ
·4 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Com 199,7 mil unidades produzidas, a fabricação de veículos no Brasil teve alta de 4,2% em janeiro na comparação com o mesmo mês de 2020. O dado divulgado nesta quinta-feira (4) pela Anfavea (associação das montadoras) contabiliza carros de passeio, comerciais leves, ônibus e caminhões. Os resultados mostram mais os efeitos da pandemia da Covid-19 sobre a indústria do que propriamente a sua recuperação: o desarranjo da cadeia automotiva modificou períodos de férias coletivas e gerou distorções. É o caso da queda de 4,6% na produção na comparação com dezembro. “Não gosto de olhar apenas para um mês isolado e achar que será um reflexo do ano. O jogo começou agora, ainda é o primeiro pedaço do primeiro tempo e queremos sentir um pouco mais como 2021 vai se desenrolar”, diz Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea. O executivo afirma que fatores como o andamento da campanha de vacinação irão definir o ano da indústria, que se inicia com o mesmo problema de 2020: dificuldades pontuais no fornecimento de componentes. Com o avanço da pandemia no Brasil e em países que são fornecedores da indústria automotiva nacional, ainda há falta de peças para abastecer algumas linhas de montagem, o que deve levar à oscilação na produção no primeiro semestre. Moraes diz que foram registradas faltas pontuais de alguns tipos de aço e de pneus. A falta de componentes gera atrasos na entrega de carros novos, o que influi nos dados de venda. Os emplacamentos de modelos novos caíram 11,53% na comparação entre os meses de janeiro de 2020 e de 2021. Em relação a dezembro, houve retração de 29,85%. Foram comercializadas 171.153 no último mês, número que inclui carros de passeio, comerciais leves, ônibus e caminhões. O estoque segue baixo, com carros suficientes para atender a 18 dias de vendas. Para Moraes, esse é um cenário que deve se consolidar, já que está ocorrendo um novo planejamento da cadeia automotiva global, processo acelerado pela pandemia. O fechamento das fábricas da Ford, anunciado no dia 11 de janeiro, ainda não se reflete nos dados sobre emprego. Houve alta de 2,1% no número de trabalhadores entre dezembro e janeiro, com 2.200 contratações. O grupo Caoa abriu 150 vagas em Anápolis (GO), na unidade em que produz os modelos Tiggo 5X, Tiggo 7 e Tiggo 8. Os funcionários já assumiram seus postos nas áreas de montagem de veículos e logística. Houve ainda contratações temporárias em outras fábricas do país, principalmente nas linhas de produção de veículos pesados. A produção de ônibus e caminhões em janeiro registrou alta de 19,4% na comparação com o mesmo mês de 2020, mas houve queda de 18,4% em relação a dezembro. “Enfrentamos uma série de dificuldades desde o início da pandemia com vários materiais diferentes em falta, mas o agronegócio continua pujante”, diz Gustavo Bonini, que é um dos vice-presidentes da Anfavea. O executivo afirma que o setor varejista também tem colaborado para o bom momento dos veículos pesados, e que já vê sinais de estabilidade nas vendas. Uma das preocupações do setor é o impacto das seguidas altas nos preços dos veículos leves e pesados. O presidente da Anfavea considera que houve três ondas de reajustes: a alta do dólar, o aumento no custo dos insumos e a mudança nas alíquotas de ICMS (Imposto Sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços) no estado de São Paulo. Apesar dos aumentos, as montadoras se queixam da perda de rentabilidade e procuram se defender de críticas sobre os benefícios tributários recebidos no Brasil. Moraes afirma que o setor automotivo recolheu R$ 268 bilhões em impostos entre os anos de 2011 e de 2017. No mesmo período, a desoneração do setor foi de R$ 24 bilhões. Segundo o presidente da Anfavea, grande parte dos benefícios tributários recebidos foram destinados à área de pesquisa e desenvolvimento, com geração de empregos de melhor remuneração e formação de mão de obra qualificada. Moraes afirma que o desequilíbrio fiscal penaliza a indústria da transformação. Segundo cálculos apresentados por ele, a carga tributária que incide sobre um automóvel produzido no Brasil chega a 44% de seu valor. Na Europa, os tributos somados atingem aproximadamente 20%. Nos Japão e nos EUA, os impostos equivalem a 13% e 7% do valor do bem, respectivamente.