Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.223,96
    -1.351,51 (-1,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.735,72
    +61,42 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,57
    +0,04 (+0,09%)
     
  • OURO

    1.782,60
    -5,50 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.378,55
    +1.027,11 (+5,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,49
    +15,89 (+4,36%)
     
  • S&P500

    3.617,61
    -20,74 (-0,57%)
     
  • DOW JONES

    29.574,06
    -336,31 (-1,12%)
     
  • FTSE

    6.266,19
    -101,39 (-1,59%)
     
  • HANG SENG

    26.341,49
    -553,19 (-2,06%)
     
  • NIKKEI

    26.433,62
    -211,09 (-0,79%)
     
  • NASDAQ

    12.278,00
    +20,50 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3781
    +0,0035 (+0,05%)
     

Produção de veículos aumenta 7,4% em outubro, diz Anfavea

Flávia Albuquerque - Repórter da Agência Brasil
·1 minuto de leitura

A produção de veículos cresceu 7,4% em outubro ao atingir 236.468 unidades ante as 220.162 produzidas em setembro. Na comparação com outubro do ano passado houve queda de 18% e no acumulado do ano o recuo foi de 38,5%. Os dados foram divulgados hoje pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

Segundo o balanço mensal da entidade as vendas fecharam o mês com 215.044 unidades licenciadas, o que corresponde a uma elevação de 3,5% sobre o mês anterior e uma retração de 15,1% sobre outubro do ano passado. A queda acumulada no ano chega a 30,4%, em linha com os -31% previstos pela Anfavea.

Os dados mostram ainda que as exportações cresceram 14,3% sobre o setembro, com a comercialização de 34.882 veículos. Na comparação com outubro de 2019 o aumento foi 16,4%. Já no acumulado de 2020 houve queda de 34,2% nas vendas para o mercado externo.

“Os resultados de outubro revelam os esforços da indústria para atender ao crescimento da demanda em alguns segmentos do mercado. Temos muitos desafios para atingir uma recuperação mais vigorosa, como os novos protocolos das fábricas, a dificuldade de planejar o médio prazo, a alta dos custos e, recentemente, a falta de alguns insumos”, disse o ressaltou o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes.