Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.028,52
    +608,99 (+0,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.764,22
    -442,37 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,60
    -2,05 (-2,42%)
     
  • OURO

    1.798,60
    +5,20 (+0,29%)
     
  • BTC-USD

    58.548,79
    -3.697,53 (-5,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.403,89
    -70,44 (-4,78%)
     
  • S&P500

    4.565,95
    -8,84 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    35.584,63
    -172,25 (-0,48%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    -24,35 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    25.628,74
    -409,53 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    29.098,24
    -7,77 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    15.684,75
    +139,75 (+0,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4654
    +0,0113 (+0,18%)
     

Produção de radiofármacos pode parar de novo neste mês, afirma Marcos Pontes

·2 minuto de leitura

Nas últimas semanas, o Brasil sofre com o risco de desabastecimento de radiofármacos — produtos usados na medicina nuclear, ou seja, em tratamentos de câncer por radioterapia e na realização de exames de imagem. Nesta terça-feira (5), o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, afirmou que uma nova paralisação na produção de radiofármacos pode ocorrer na metade deste mês, caso verbas públicas não sejam direcionadas para a iniciativa.

Durante a participação na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados, o ministro Pontes defendeu que o Congresso aprove, nesta semana ainda, a suplementação orçamentária necessária para a importação dos insumos nucleares. Com a chegada de matéria-prima, a produção de remédios para câncer e substâncias para exames de imagens poderia ser retomada.

Por exemplo, o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen) é responsável por 85% da produção nacional. No entanto, o Ipen já interrompeu a produção uma vez este ano, entre os dias 20 de setembro e primeiro de outubro. Nesse período, alguns hospitais chegaram a anunciar a interrupção de tratamentos oncológicos e exames.

Produção de remédios para o tratamento do câncer podem parar em outubro (Imagem: Reprodução/Colin Behrens/Pixabay)
Produção de remédios para o tratamento do câncer podem parar em outubro (Imagem: Reprodução/Colin Behrens/Pixabay)

Temporariamente, a produção foi retomada. Para isso, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), responsável pela gestão do Ipen, precisou anunciar a liberação de R$ 19 milhões para a importação de insumos. Agora, o ministro pede mais receita para dar continuidade a essa produção nacional.

Questão dos radiofármacos no Brasil

“O problema não está solucionado. A gente conseguiu essa transferência de R$ 19 milhões agora, mas daqui a um semana ou duas, no máximo, vai parar a produção de novo, enquanto não for aprovado esse PLN [projeto de lei do Congresso Nacional] com R$ 34 [milhões], depois outro com R$ 55 [milhões] até o final de ano”, afirmou o ministro Pontes, em sua fala na Comissão.

A atual situação é consequência do orçamento de 2021, que foi enviado ao Congresso pelo Ministério da Economia com corte da verba prevista para a operação do Ipen. Segundo Pontes, a redução de verba ocorre todos os anos — ao menos desde 2012 —, mas, como o orçamento deste ano foi aprovado com atraso — somente em abril — não houve tempo hábil para encontrar uma solução.

Para contornar a situação, foi sugerido que o Congresso aprove uma espécie de blindagem no orçamento para a produção de radiofármacos. Enquanto a situação não se resolve, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou uma resolução, no final de setembro, para permitir a importação excepcional de radiofármacos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos