Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.209,88
    +1.331,35 (+1,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.828,81
    +153,98 (+0,35%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,66
    +0,38 (+0,84%)
     
  • OURO

    1.842,80
    +12,60 (+0,69%)
     
  • BTC-USD

    19.368,95
    +420,05 (+2,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,25
    +5,84 (+1,56%)
     
  • S&P500

    3.673,76
    +4,75 (+0,13%)
     
  • DOW JONES

    30.041,57
    +157,78 (+0,53%)
     
  • FTSE

    6.490,27
    +26,88 (+0,42%)
     
  • HANG SENG

    26.728,50
    +195,92 (+0,74%)
     
  • NIKKEI

    26.809,37
    +8,39 (+0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.477,25
    +23,00 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2466
    -0,0732 (-1,16%)
     

Produção de petróleo da Petrobras cresce 9% no ano mesmo com pandemia

NICOLA PAMPLONA
·3 minuto de leitura
*ARQUIVO* Logo da Petrobras em Cabo Frio, no estado do Rio de Janeiro. (Foto: Daniel Marenco/Folhapress)
*ARQUIVO* Logo da Petrobras em Cabo Frio, no estado do Rio de Janeiro. (Foto: Daniel Marenco/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Apesar da pandemia, que levou à redução no consumo global de petróleo, a produção da Petrobras cresceu 9% nos três primeiros trimestres de 2020, atingindo a marca de 2,839 milhões de barris de óleo e gás natural. A empresa ampliou também a produção de combustíveis no Brasil.

No terceiro trimestre, a alta na produção foi de 5,4%, informou a empresa. Em relatório divulgado nesta terça (20), a estatal diz que o desempenho "foi muito bom, considerando-se o cenário desafiador imposto pela pandemia da Covid-19".

O aumento da produção se dá nos campos do pré-sal, que produziram até agora em 2020 um volume 32% superior ao registrado nos primeiros nove meses de 2019. A Petrobras estima superar ao fim do ano o limite superior de sua meta de produção, que é de 2,7 milhões de barris de petróleo e gás.

O resultado reflete o início das operações do campo de Atapu e a melhoria operacional de quatro plataformas no campo de Búzios, a maior descoberta de petróleo do país. Ambos estão localizados no pré-sal.

A empresa diz que a produção acima do esperado não vem resultando em estoques excessivos, apesar da redução da demanda global. "Pelo contrário, temos trabalhado com estoques inferiores aos do período pré-Covid graças à maior integração entre produção, refino, logística e comercialização."

No terceiro trimestre, a Petrobras assinou contrato de venda de 3 campos de petróleo em águas rasas e 37 campos terrestres, como parte de seu programa de desinvestimentos, que prevê foco cada vez maior no pré-sal.

Além disso, concluiu a venda de suas participações em dois polos produtores na Bacia de Campos, um no Espírito Santo e dois campos no Rio Grande do Norte, que representaram uma receita de US$ 437 milhões (cerca de R$ 2,4 bilhões, pela cotação atual).

Desde março, com a nova perspectiva de preços dos petróleo após a pandemia, a Petrobras hibernou 63 plataformas de produção instaladas em campos em águas rasas.

Com a retomada do mercado doméstico de combustíveis, a empresa diz ter atingido no terceiro trimestre um fator de utilização de suas refinarias de 83%, contra o piso de 55% em abril. A produção de combustíveis foi 17,8% superior à do segundo trimestre.

A produção de derivados de petróleo nas refinarias da estatal registra crescimento de 6,6% quando comparada com o terceiro trimestre de 2019, antes da pandemia. O plano de desinvestimentos prevê a venda de 8 das 13 unidades de refino da empresa.

No terceiro trimestre, a Petrobras exportou 983 mil barris por dia, 2,2% a mais do que no segundo trimestre e 22,7% a mais do que no mesmo período do ano anterior. Em setembro, foi batido novo recorde de exportação de petróleo, com 1,06 milhão de barris por dia.

A empresa divulgará seu balanço do terceiro trimestre na semana que vem. No segundo trimestre, sob efeito do período mais duro da pandemia, registrou prejuízo de R$ 2,7 bilhões.

Já nos primeiros três meses do ano, a perda foi ainda maior, de R$ 48 bilhões, com impacto da revisão no valor de ativos de acordo com as novas projeções de preços do petróleo a partir da pandemia.