Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.140,81
    -278,72 (-0,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.680,31
    -526,28 (-1,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,19
    -2,46 (-2,91%)
     
  • OURO

    1.797,60
    +4,20 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    58.542,27
    -3.593,88 (-5,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.402,56
    -71,77 (-4,87%)
     
  • S&P500

    4.558,79
    -16,00 (-0,35%)
     
  • DOW JONES

    35.532,63
    -224,25 (-0,63%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    -24,35 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    25.628,74
    -409,53 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    29.098,24
    -7,77 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    15.643,25
    +98,25 (+0,63%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4483
    -0,0058 (-0,09%)
     

Indústria no Brasil tem 3ª queda seguida em agosto e fica quase 3% abaixo do nível pré-pandemia

·2 minuto de leitura
Fábrica de alumínio em Pindamonhangaba, SP

Por Camila Moreira e Rodrigo Viga Gaier

SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO (Reuters) - A indústria brasileira voltou a contrair em agosto pelo terceiro mês seguido, permanecendo quase 3% abaixo do nível pré-pandemia ainda pressionada pelo desarranjo provocado pela Covid-19 e mostrando dificuldades para se recuperar na metade do terceiro trimestre

A produção industrial no Brasil teve em agosto queda de 0,7% em relação ao mês anterior, acumulando em três meses perdas de 2,3%.

O resultado divulgado nesta terça-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) foi pior do que a expectativa em pesquisa da Reuters de recuo de 0,4%.

Também deixou a indústria 2,9% abaixo do patamar de fevereiro do ano passado, pré-pandemia, e 19,1% abaixo do nível recorde registrado em maio de 2011.

Na comparação com o mesmo mês de 2020, a produção nacional também enfraqueceu 0,7%, contra expectativa de estabilidade e interrompendo 11 meses de taxas positivas consecutivas nessa base de comparação.

A crise da Covid-19, junto com os preços elevados de matérias-primas e a escassez de algumas em um cenário de desemprego e inflação elevados no Brasil pegaram a indústria em cheio.

“A indústria vem há meses apresentando um panorama que mostra que há um desarranjo das cadeias produtivas, escassez de matéria-prima, encarecimento da produção e a demanda demonstra que ainda há muitas dificuldades no mercado de trabalho", explicou o gerente da pesquisa, André Macedo.

Os dados do IBGE mostram que em agosto as perdas foram disseminadas. Entre as quatro grandes categorias econômicas, somente a de Bens de Consumo Semiduráveis e não Duráveis teve crescimento, de 0,7%. Os Bens de Capital registraram queda de 0,8%, enquanto os Intermediários caíram 0,6% e os de Consumo Duráveis perderam 3,4% --este marcando o oitavo mês seguido de recuo.

O maior peso entre os ramos pesquisados veio da queda de 6,4% na fabricação de outros produtos químicos. Também se destacaram os recuos de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-2,6%), veículos automotores, reboques e carrocerias (-3,1%) e produtos farmoquímicos e farmacêuticos (-9,3%).

"A pandemia explica a perda de ritmo do setor industrial, mas há outros fatores. As medidas de apoio do governo no ano passado ajudaram o setor, mas depois houve uma clara perda de fôlego e menor intensidade", completou Macedo, destacando ainda que com a vacinação e aumento da mobilidade, a demanda migrou de bens para serviços.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos