Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.520,43
    -17,86 (-0,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,80
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

Produção industrial da zona do euro em setembro sobe mais do que o esperado

Fábrica da Knaus-Tabbert AG em Jandelsbrunn, Alemanha

BRUXELAS (Reuters) - A produção industrial da zona do euro aumentou muito mais do que o esperado em setembro e o dado de agosto também foi revisado para cima, embora economistas tenham dito que os números positivos podem ser em parte devido ao adiantamento da produção antes de interrupções relacionadas à energia neste inverno.

A produção industrial mais forte do que o esperado ajuda a explicar por que a zona do euro ainda conseguiu crescer 0,2% no período entre julho e setembro em relação ao trimestre anterior, apesar dos preços de energia crescentes e juros altos.

O escritório de estatísticas da União Europeia, Eurostat, disse que a produção industrial nos 19 países que compartilham o euro subiu 0,9% em setembro em relação ao mês anterior, para um ganho de 4,9% na base anual.

Economistas consultados pela Reuters esperavam um aumento mensal de 0,3% e um avanço anual de 2,8%.

Os dados de agosto foram revisados para cima para um crescimento de 2,0% no mês e 2,8% em relação ao ano anterior, de 1,5% e 2,5% antes respectivamente.

"Aumentos consecutivos na produção pintam uma imagem enganosa das perspectivas para o setor industrial da zona do euro", disse Ken Wattret, economista da S&P Global Market Intelligence.

“As possíveis explicações para a atual divergência de pesquisas e dados incluem a produção antecipada antes das interrupções relacionadas à energia durante o inverno, aumentando a probabilidade de declínios acentuados na produção daqui para frente”, disse ele.

A Comissão Europeia espera que a economia da zona do euro se contraia nos últimos três meses de 2022 e no primeiro trimestre de 2023.

(Reportagem de Jan Strupczewski)