Mercado fechará em 5 h 18 min
  • BOVESPA

    110.230,11
    -1.309,69 (-1,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,85
    +1,10 (+1,84%)
     
  • OURO

    1.714,80
    -18,80 (-1,08%)
     
  • BTC-USD

    51.090,94
    +2.093,12 (+4,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.019,62
    +31,52 (+3,19%)
     
  • S&P500

    3.861,16
    -9,13 (-0,24%)
     
  • DOW JONES

    31.436,87
    +45,35 (+0,14%)
     
  • FTSE

    6.642,54
    +28,79 (+0,44%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.039,00
    -16,25 (-0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9203
    +0,0582 (+0,85%)
     

Produção industrial da zona do euro cai mais do que o esperado em dezembro

·1 minuto de leitura
Hotel 5 estrelas de Roma fechado por pandemia

BRUXELAS (Reuters) - A produção industrial da zona do euro encolheu mais do que o esperado em dezembro pressionada pela queda na fabricação de bens de capitais e de consumo não duráveis, mostraram dados nesta segunda-feira, confirmando a contração econômica da zona do euro no quarto trimestre.

O escritório de estatísticas da União Europeia, Eurostat, disse que a produção nos 19 países que compartilham o euro caiu 1,6% no comparativo mensal e 0,8% no comparativo anual, já que grande parte da economia foi fechada para evitar a propagação da pandemia de Covid-19.

Economistas ouvidos pela Reuters esperavam queda de 1% na comparação mensal e de 0,3% anualmente.

A produção de bens de capital, usada para investimentos, recuou 3,1% no mês e na comparação anual, enquanto a produção de bens de consumo não duráveis ​--geralmente alimentos ou roupas-- recuou 0,6% no mês e 3,9% no ano.

De outro lado, houve aumento da produção em bens intermediários e bens de consumo duráveis.

O Eurostat estimou no início deste mês que a economia da zona do euro contraiu 0,7% no trimestre, para uma queda de 5,1% no comparativo anual, e economistas esperam outra queda do PIB nos primeiros três meses deste ano em meio a contínuos bloqueios econômicos.

(Reportagem de Jan Strupczewski)