Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.672,76
    -3.755,42 (-3,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.402,73
    -283,30 (-0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,00
    +0,04 (+0,05%)
     
  • OURO

    1.769,00
    -1,50 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    64.392,40
    +2.429,05 (+3,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.481,22
    +17,87 (+1,22%)
     
  • S&P500

    4.519,63
    +33,17 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    35.457,31
    +198,70 (+0,56%)
     
  • FTSE

    7.217,53
    +13,70 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    25.787,21
    +377,46 (+1,49%)
     
  • NIKKEI

    29.215,52
    +190,06 (+0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.403,75
    +5,25 (+0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5075
    +0,0113 (+0,17%)
     

Produção industrial cai 0,7% em agosto e fica 2,9% abaixo do patamar pré-pandemia

·5 minuto de leitura
***ARQUIVO***Sao Bernardo, SP, BRASIL, 08-01-2021:  linha de montagem   de caminhoes 4.0 na fabrica da Mercedes em Sao Bernardo (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)
***ARQUIVO***Sao Bernardo, SP, BRASIL, 08-01-2021: linha de montagem de caminhoes 4.0 na fabrica da Mercedes em Sao Bernardo (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Em mais um sinal de perda de fôlego, a produção industrial brasileira caiu 0,7% em agosto, na comparação com julho. Foi a terceira baixa consecutiva, mostram dados divulgados nesta terça-feira (5) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Com o resultado, a indústria ficou 2,9% abaixo do patamar pré-pandemia, de fevereiro do ano passado. Também está em nível 19,1% inferior ao recorde, de maio de 2011.

O resultado de agosto veio abaixo do esperado pelo mercado. Analistas consultados pela agência Bloomberg projetavam retração de 0,4%.

“Existem fatores que a gente vem elencando nos últimos meses. O resultado de agosto não difere muito. Fica bem evidente o desarranjo das cadeias produtivas. Também fica evidente o impacto do aumento de custos”, afirmou André Macedo, gerente da pesquisa do IBGE.

“Pelo lado da demanda doméstica, a gente observa dificuldades há algum tempo. Temos mais de 14 milhões [de pessoas] fora do mercado de trabalho, massa de salários que não evolui, precarização do emprego”, completou.

O recuo da atividade industrial teve perfil disseminado em agosto. Atingiu 15 dos 26 ramos pesquisados.

A queda foi puxada por outros produtos químicos (-6,4%), coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-2,6%), veículos automotores, reboques e carrocerias (-3,1%) e produtos farmoquímicos e farmacêuticos (-9,3%).

O IBGE informou que, na comparação com agosto de 2020, a produção industrial também recuou 0,7%. Foi a primeira queda após 11 meses de avanço.

No ano, o indicador acumulou alta de 9,2% entre janeiro e agosto. Em período maior, de 12 meses, houve crescimento de 7,2%.

Em meio ao processo de reabertura da economia, a produção industrial passou a emitir sinais de dificuldades no país.

Uma das ameaças no radar das fábricas é a escassez de insumos. O quadro afeta segmentos como o automotivo, que prevê melhora consistente no abastecimento de matérias-primas só em 2022. A falta de componentes é associada ao desarranjo nas cadeias produtivas provocado pela pandemia.

Para complicar a situação, a escassez de insumos tem sido acompanhada pela disparada de preços. Em agosto, a inflação da indústria teve alta nas 24 atividades analisadas pelo IPP (Índice de Preços ao Produtor), apontou o IBGE no último dia 29.

O IPP mede a variação dos preços na “porta de entrada das fábricas”, sem o efeito de impostos e fretes. Ou seja, capta os valores de mercadorias usadas nas linhas de produção. Em 12 meses até agosto, o indicador acumulou alta de 33,08%.

Segundo o IBGE, a produção industrial em agosto ficou 6% abaixo do nível de dezembro de 2020. Ao longo do ano passado, o setor foi beneficiado por estímulos como o auxílio emergencial, reduzido em 2021.

Com o avanço da vacinação contra a Covid-19, houve reabertura de outros setores da economia nos últimos meses, como o de serviços. Assim, a renda das famílias não é mais direcionada apenas a bens de origem industrial, indicou André Macedo, gerente da pesquisa do IBGE. A “concorrência” entre os setores também ajuda a explicar a perda de gás das fábricas, segundo ele.

Para o Iedi (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial), as fábricas estão “sem pulso”.

“Os obstáculos são de diferentes ordens: do lado da oferta, ainda há gargalos na obtenção de insumos e pressão de custos; do lado da demanda, a inflação corrói poder de compra da população em um quadro de elevado desemprego. Além disso, o ambiente de incerteza se mantém, renovando suas causas sob os riscos da crise hídrica e da tensão política”, indicou o Iedi.

Das 26 atividades pesquisadas na indústria, 19 estão abaixo do patamar pré-pandemia. O ramo mais distante é o de veículos automotores, reboques e carrocerias. Encontra-se em nível 20,9% inferior ao de fevereiro de 2020.

As outras sete atividades analisadas apresentam desempenho positivo. O ramo de máquinas e equipamentos está em patamar 16,9% superior ao pré-crise. É a maior distância positiva frente a fevereiro do ano passado.

André Perfeito, economista-chefe da Necton Investimentos, avalia que os dados da produção industrial em agosto sugerem PIB (Produto Interno Bruto) “muito próximo de zero” no terceiro trimestre, o que deve forçar novas revisões no indicador no acumulado de 2021.

O economista Gilberto Braga, professor do Ibmec-RJ, vai na mesma linha. “A produção industrial joga um pouco de água fria no PIB do terceiro trimestre. A gente começa a enxergar um PIB muito próximo de zero, positivo ou negativo”, relata.

Braga afirma não ver possibilidade de normalização do quadro de insumos industriais até o final deste ano. “Boa parte das mercadorias é importada. O país avançou de forma tardia no processo de vacinação, então ficou no final da fila para retomada. Agora, não basta ter dinheiro e querer comprar insumos. Falta produto.”

O professor acrescenta que os efeitos da pandemia vêm desafiando as projeções econômicas.

“Boa parte dos analistas está desconectada. O mercado esperava queda de 0,4% na produção industrial em agosto, mas a baixa foi quase o dobro. A leitura conjuntural está bem difícil, talvez no seu momento mais complexo dos últimos anos.”

*

PRODUÇÃO INDUSTRIAL NO BRASIL

Dados do IBGE

0,7%

foi a queda em ago.21, ante jul.21

0,7%

foi a queda em ago.21, ante ago.20

9,2%

foi a alta no acumulado do ano

7,2%

foi a alta no acumulado de 12 meses

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos