Mercado fechará em 5 h 8 min
  • BOVESPA

    109.391,23
    +277,07 (+0,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.111,34
    +302,78 (+0,68%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,10
    +2,39 (+3,12%)
     
  • OURO

    1.643,10
    +9,70 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    20.213,37
    +1.061,78 (+5,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,09
    +2,95 (+0,64%)
     
  • S&P500

    3.699,39
    +44,35 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    29.557,59
    +296,78 (+1,01%)
     
  • FTSE

    7.035,65
    +14,70 (+0,21%)
     
  • HANG SENG

    17.860,31
    +5,17 (+0,03%)
     
  • NIKKEI

    26.571,87
    +140,32 (+0,53%)
     
  • NASDAQ

    11.453,00
    +136,75 (+1,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1516
    -0,0278 (-0,54%)
     

Produção da Toyota cai novamente em julho e coloca meta anual em cheque

Toyota

(Reuters) - A Toyota Motor disse nesta terça-feira que sua produção global de veículos em julho caiu 8,6% ante um ano antes, o quarto mês seguido de desempenho abaixo do esperado, prejudicada por surtos de Covid-19, clima severo, um processo envolvendo recall e uma persistente falta de chips.

A manutenção em julho dos fracos números de produção levantou preocupações de que a Toyota possa ter que reduzir sua meta anual de fabricação, de 9,7 milhões de veículos. O movimento viria ainda que as restrições relacionadas à pandemia na China tenham diminuído e a escassez de chips mostrado alguns sinais de melhora.

A Toyota, a maior montadora do mundo em vendas, produziu 706.547 veículos em todo o mundo no mês passado, abaixo de sua meta de cerca de 800.000 unidades. No mesmo período do ano anterior, foram 773.135 unidades.

A produção no acumulado dos primeiros quatro meses do atual ano fiscal, que começou em abril, ficou 10,3% abaixo do plano inicial.

A indústria automobilística global resistiu às interrupções na cadeia de suprimentos causadas pela escassez de chips e rígidas restrições de Covid-19 na China, mas a Toyota também está lidando com fortes chuvas no Japão, interrupção da linha de produção devido a uma investigação de recall e surtos de coronavírus em uma fábrica local.

A Toyota disse que a produção doméstica cedeu 28,2%, ofuscando a produção recorde em julho no exterior, com alta de 4,5%, dada a forte recuperação na Europa, China e no resto da Ásia.

"Em agosto deste ano, a Toyota está planejando produzir cerca de 700.000 veículos e, considerando que fez cerca de 530.000 em agosto do ano passado, acho que a situação está começando a melhorar", disse Seiji Sugiura, analista sênior do Tokai Tokyo Research Institute.

A empresa manteve no início deste mês sua meta de produção anual, pois planejava aumentar o ritmo até novembro, dependendo do fornecimento de peças e pessoal. A Toyota espera que a produção de setembro se recupere para cerca de 850.000 veículos, um recorde para o mês.

Mesmo assim, Sugiura disse que a Toyota ainda não está fora de perigo, citando a incerteza sobre a estabilidade na compra de chips como um risco e expressando ceticismo de que a empresa possa cumprir a meta de produção de 9,7 milhões de unidades.

(Por Satoshi Sugiyama)