Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    47.433,57
    +789,01 (+1,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7577
    +0,0188 (+0,28%)
     

Produção da Opep avança em janeiro, mas alta é limitada por paralisação na Nigéria

·1 minuto de leitura
Ilustração mostra bomba de petróleo em frente ao logo da Opep

LONDRES (Reuters) - A produção de petróleo da Opep avançou pelo sétimo mês consecutivo em janeiro, indicou uma pesquisa da Reuters, depois de o grupo e aliados concordarem com uma redução adicional em seus cortes recordes de oferta --embora uma queda involuntária nas exportações nigerianas tenha limitado o aumento.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo, que possui 13 membros, tem bombeado 25,75 milhões de barris por dia (bpd) em janeiro, segundo a pesquisa, o que representa um aumento de 160 mil bpd ante dezembro e mais um crescimento em relação às mínimas de três décadas registradas em junho.

A Opep+, que reúne a Opep e outros produtores liderados pela Rússia, concordou em flexibilizar seus cortes de produção em 500 mil bpd a partir de 1º de janeiro, visto que a demanda se recupera, em certa medida, da crise do coronavírus.

Esse acordo permite que a Opep aumente a produção em cerca de 300 mil bpd em janeiro. O grupo entregou pouco mais da metade desse volume esperado após a queda na oferta da Nigéria, de acordo com a pesquisa.

(Reportagem de Alex Lawler, com reportagem adicional de Ahmad Ghaddar)