Mercado fechado

Produção comercial em nova fábrica da Braskem nos EUA começará no 3º tri

Stella Fontes

Conforme a petroquímica, os testes iniciais de produção de polipropileno começam a ser executados em julho Com a conclusão da construção da nova fábrica de polipropileno (PP) nos Estados Unidos, anunciada hoje, a Braskem prevê iniciar a produção comercial em larga escala na unidade ao longo do terceiro trimestre. Conforme a petroquímica, os testes iniciais de produção começam a ser executados em julho.

A nova fábrica de PP da Braskem, em La Porte, no Texas, tem capacidade de produção de mais de 450 mil toneladas por ano de todo o portfólio da resina e recebeu investimentos de US$ 675 milhões.

Em nota à imprensa, o presidente da Braskem América, Mark Nikolich, afirma que a produção inicial será direcionada para o mercado interno americano, em substituição aos volumes de resina que são importados para atender ao déficit de PP nos Estados Unidos. A partir da unidade, também haverá exportação de resina para clientes da petroquímica em outros países da América do Norte, América do Sul, Europa e Ásia.

A Braskem já iniciou o comissionamento da unidade, com adoção de medidas de segurança adicionais por causa da pandemia de covid-19. Nessa fase, são realizados os testes funcionais e de processo, com checagem dos controles e sistemas de segurança. Com isso, os testes de produção devem ser iniciados no próximo mês, com a primeira produção comercial completa em larga escala ainda no terceiro trimestre.

De acordo com o vice-presidente de PP da companhia na América do Norte, Alexandre Elias, a covid-19 afetou as vendas da resina na região em abril e maio para o segmento de bens duráveis, especialmente o automotivo. Esse efeito negativo foi parcialmente compensado pelas vendas para clientes de não tecidos e embalagens.

“Em junho, a demanda se recuperou e a expectativa da Braskem para o mercado americano de PP no terceiro trimestre é positiva”, diz o executivo, no comunicado, acrescentando que a combinação de demanda aquecida, paradas programadas para o terceiro trimestre e oportunidades de exportação devem garantir a entrada em operação da nova unidade sem sobressaltos no mercado.