Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.427,88
    +1.145,82 (+2,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.481,93
    +46,14 (+3,21%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Produção alemã recua no 1° tri com lockdowns reduzindo consumo

·1 minuto de leitura
Rua vazia em meio a toque de recolher por Covid-19 em Colônia, Alemanha

BERLIM (Reuters) - A economia alemã recuou 1,7% no primeiro trimestre, taxa maior do que a expectativa, uma vez que um lockdown em vigor desde novembro para conter a disseminação do coronavírus sufocou o consumo privado na maior economia da Europa, mostraram dados nesta sexta-feira.

"A crise do coronavírus causou outro declínio no desempenho econômico no início de 2021", disse o Escritório Federal de Estatísticas da Alemanha. "Isso afetou o consumo das famílias em particular, enquanto as exportações de bens sustentaram a economia."

Uma pesquisa da Reuters havia apontado para uma contração de 1,5% no primeiro trimestre.

A economia havia avançado 0,5% em dado revisado para cima nos últimos três meses do ano passado, depois que a forte demanda da China e dos Estados Unidos por produtos alemães ajudou o setor manufatureiro a compensar os obstáculos representados pelo consumo moderado.

Economistas disseram que as expectativas não se materializaram nos primeiros três meses deste ano porque o setor manufatureiro está enfrentando seus próprios desafios em meio a problemas na capacidade de produção e uma escassez de chips que afeta o setor automotivo.

"Até agora, a indústria havia compensado as perdas no setor de serviços", escreveu Thomas Gitzel, economista-chefe do VP Bank Group, em nota. "Não é mais o caso. A indústria sofreu e está sofrendo com a falta de material."

(Por Joseph Nasr)