Mercado abrirá em 5 h 35 min
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,86
    +0,59 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.870,50
    +2,90 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    45.091,07
    +411,58 (+0,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.255,30
    +57,38 (+4,79%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.087,58
    +54,73 (+0,78%)
     
  • HANG SENG

    28.562,40
    +368,31 (+1,31%)
     
  • NIKKEI

    28.406,84
    +582,01 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    13.418,00
    +114,50 (+0,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4277
    +0,0178 (+0,28%)
     

Produção de aço bruto sobe e vendas disparam em março, diz Aço Brasil

·2 minuto de leitura
.

SÃO PAULO (Reuters) - A produção brasileira de aço bruto em março somou 2,8 milhões de toneladas, alta de 4,1% sobre um ano antes e praticamente no mesmo nível de fevereiro, informou nesta terça-feira o Instituto Aço Brasil, que representa siderúrgicas instaladas no país.

As vendas no mercado interno, enquanto isso, foram de 2,109 milhões de toneladas, alta de 41,9% ano a ano. Ante fevereiro, o volume comercializado cresceu 10,5%. Segundo o presidente-executivo da entidade, Marco Polo de Mello Lopes, o volume vendido em março foi o maior desde outubro de 2013.

"O consumo aparente de produtos siderúrgicos foi de 2,4 milhões de toneladas, 50,1% superior ao apurado em março de 2020. Este foi também o maior consumo aparente desde outubro de 2013", afirmou o executivo em comunicado.

Mais cedo, o setor de distribuição de aço plano, um dois principais clientes das usinas siderúrgicas, publicou dados que mostraram alta das vendas em março de 4,2% ante fevereiro e de 22,7% sobre mesmo mês do ano passado, para 325,4 mil toneladas. Porém, para abril, a expectativa é de queda de 5%.

Segundo o Aço Brasil, a demanda por aço no país reflete a retomada de setores consumidores desde meados do ano passado, e "a formação de estoques defensivos de alguns segmentos em relação à volatilidade do mercado, ocasionado pelo boom no preço das commodities".

"No caso da indústria do aço, a quase totalidade de insumos e matérias primas e, em especial, as essenciais como minério de ferro e sucata tiveram significativa elevação de preços, com forte impacto nos custos de produção", afirmou Lopes.

Segundo o Inda, que representa os distribuidores, desde o início do ano, as usinas elevaram seus preços três vezes, acumulando uma alta de 35%.

(Por Alberto Alerigi Jr.; edição de Aluísio Alves)