Mercado abrirá em 4 h 48 min
  • BOVESPA

    120.705,91
    +995,88 (+0,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.829,31
    +80,90 (+0,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,76
    -0,06 (-0,09%)
     
  • OURO

    1.833,80
    +9,80 (+0,54%)
     
  • BTC-USD

    50.217,01
    -506,48 (-1,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.384,96
    -2,95 (-0,21%)
     
  • S&P500

    4.112,50
    +49,46 (+1,22%)
     
  • DOW JONES

    34.021,45
    +433,79 (+1,29%)
     
  • FTSE

    7.006,67
    +43,34 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    28.018,07
    +299,40 (+1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.186,50
    +86,25 (+0,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4254
    +0,0129 (+0,20%)
     

Produção de açúcar no Centro-Sul pode cair até 20%, diz Wilmar

Manisha Jha
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A produção de açúcar do Brasil pode cair em até 20% em 2021-22 com o impacto do clima seco na produtividade, o que ameaça reduzir o volume de cana-de-açúcar para o menor nível em uma década, segundo uma das maiores tradings mundiais da commodity.

Com o clima mais seco do que o normal no estado de São Paulo desde o ano passado, a produção de açúcar na região Centro-Sul pode cair para 31 milhões de toneladas na temporada de 2021-22, segundo relatório da Wilmar International visto pela Bloomberg. O volume se compara à estimativa de 38,5 milhões de toneladas na temporada passada.

“A previsão de tempo seco deve continuar nos próximos 30 dias e poderíamos reduzir ainda mais nossas projeções de safra se a falta de chuva continuar estressando a colheita", disse em entrevista por telefone Karim Salamon, chefe de análise de mercado de açúcar da Wilmar, que tem sede em Cingapura.

São Paulo, que responde por 68% da produção total de cana da região, registrou o clima mais seco em duas décadas em cinco dos seis meses até março, e a queda da produtividade pode chegar a 20% em algumas áreas, estima Salamon. Os riscos para a safra do maior produtor mundial da commodity também sustentam os preços do açúcar bruto, que atingiram a maior cotação em seis semanas em Nova York na semana passada. O açúcar acumula alta de 5% desde janeiro.

Embora a produção menor de cana possa reduzir a oferta de açúcar do Brasil, a quantidade final também dependerá de quanto caldo é desviado para produzir etanol. Isso, por sua vez, também está muito condicionado às perspectivas para os preços de energia e à recuperação da demanda doméstica por etanol no país.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.