Mercado fechará em 1 h 18 min
  • BOVESPA

    109.659,71
    +1.646,24 (+1,52%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.857,02
    +33,79 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,05
    +0,09 (+0,10%)
     
  • OURO

    1.843,30
    +0,10 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    43.182,93
    +1.038,05 (+2,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.026,55
    +31,29 (+3,14%)
     
  • S&P500

    4.592,35
    +59,59 (+1,31%)
     
  • DOW JONES

    35.410,35
    +381,70 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.585,01
    -4,65 (-0,06%)
     
  • HANG SENG

    24.952,35
    +824,50 (+3,42%)
     
  • NIKKEI

    27.772,93
    +305,70 (+1,11%)
     
  • NASDAQ

    15.287,50
    +254,00 (+1,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1067
    -0,0607 (-0,98%)
     

Procuradoria recomenda que Equatorial suspenda rede elétrica para invasores de terra indígena

·3 min de leitura

MANAUS, AM, E SANTARÉM, PA (FOLHAPRESS) - O MPF (Ministério Público Federal) em Paragominas (PA) recomendou que a distribuidora Equatorial Energia interrompa a instalação de rede elétrica, feita sem respaldo legal, para atender a invasores da Terra Indígena Alto Rio Guamá, no nordeste do Pará.

Os trabalhos, segundo o MPF, são realizados sem a autorização da Funai (Fundação Nacional do Índio) e da licença ambiental do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), como determina a legislação.

Procurada, Equatorial disse que está avaliando o conteúdo da recomendação e que suspendeu a execução do projeto na terra indígena. A empresa afirma que segue todas as exigências legais.

Trata-se de uma das maiores empresas do setor elétrico do do Brasil. Cobre 22% do território nacional e atende a 9% dos consumidores do país. É a única distribuidora de energia do Pará.

A recomendação do MPF se baseia em ofício da Funai relatando a existência de duas redes de energia de 24 km instaladas em áreas invadidas sem o conhecimento do órgão indigenista. "Além disso, um estoque de postes de concreto prontos para serem instalados para ampliação da rede foi detectado", diz o documento.

O MPF deu um prazo de 30 dias para que a Equatorial revise todos os projetos elétricos dentro da terra indígena e que fiscalize, em até 45 dias, a fiscalização de ligações clandestinos. A recomendação é de 17 de novembro.

"A ausência de observância às medidas indicadas impulsionará o Ministério Público Federal a adotar, quando cabível, as providências judiciais e extrajudiciais pertinentes para garantir a prevalência das normas de proteção ao patrimônio público e social, de que trata esta recomendação", diz o documento, assinado pelo procurador da República Milton de Souza Junior.

Segundo o cacique Kamirã Tembé, Alto Rio Guamá sofre um processo histórico de invasões, apoiadas por políticos, e que decisões judiciais de desintrusão não tem sido cumpridas pelo governo federal.

"Nos últimos cinco anos, a antiga Celpa, agora Equatorial, vêm fazendo obras dentro da terra indígena, levando luz para esses vilarejos ilegais. Isso incentiva que eles permaneçam dentro da terra indígena", afirma.

A liderança elogiou a recomendação do MPF, mas pede que a Procuradoria também agilize a desintrusão.

Esse não é o único caso em que a Equatorial é flagrada fornecendo energia a invasores de terra indígena sem respeitar a legislação em vigor. A Folha revelou que a empresa foi multada por prover luz a ocupantes ilegais das terras indígenas Apyterewa e Ituna/Itatá, também no Pará. A empresa nega que tenha cometido irregularidades e que, no caso de Apyterewa, a ligação é clandestina.

Além da Equatorial Energia, o MPF também recomendou que a prefeitura de Garrafão do Norte (PA) apresente um plano de retirada do lixão usado pela própria administração municipal dentro do território indígena.

Próxima a duas rodovias, a Terra Indígena Alto Rio Guamá tem sido alvo de grileiros e madeireiros. Possui área de 180 mil hectares e uma população indígena de cerca de 1.800 pessoas dos povos tembé, ka'apor e awa guará.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos