Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.771,02
    +329,00 (+0,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Procurador-geral de Justiça escolhe oito promotores para assumirem a Força-Tarefa do Caso Marielle e Anderson

·3 minuto de leitura

O procurador-geral de Justiça, Luciano Mattos, decidiu manter o coordenador do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MPRJ, Bruno Gangoni, à frente da Força-Tarefa Marielle e Anderson (FTMA). Desta vez, o novo coordenador terá o reforço de mais sete promotores de Justiça: Roberta Laplace, Fabiano Cossermelli, Diogo Erthal, Juliana Pompeu, Michel Queiroz Zoucas, Marcelo Winter e Carlos Eugênio Laureano, na condição de assistentes. Os oito promotores substituirão as promotoras Simone Sibílio e Letícia Emile, que entregaram os cargos no último dia 9. Ao procurador-geral de Justiça, elas alegaram interferências externas durante as investigações, quando a Polícia Civil apresentou a viúva de Adriano da Nóbrega, Júlia Lotufo, para fazer uma delação com informações sobre o caso.

Mattos escolheu nomes de promotores que já trabalharam no Caso Marielle quando, no ano anterior, Sibílio foi coodenadora do Gaeco, na gestão passada. A última grande ação dos promotores do Gaeco foi a prisão do delegado Maurício Demétrio, no dia 30 do mês passado. Demétrio é acusado de comandar um esquema que exigia propina de lojistas da Rua Teresa, em Petrópolis, na Região Serrana, para permitir a venda de roupas falsificadas. O crime teria ocorrido quando o delegado era titular da Delegacia de Repressão aos Crimes contra a Propriedade Imaterial (DRCPIM), entre março de 2018 e março deste ano. Na época da prisão, o promotor Diogo Erthal, que faz parte do grupo, disse que havia a suspeita de que Demétrio e sua equipe teriam lucrado cerca de R$ 1 milhão com o esquema ilegal.

A força-tarefa tem como meta descobrir quem é o mandante — ou mais de um — que deu a ordem para matar a vereadora Marielle Franco, no dia 14 de março de 2018. Na semana passada, Mattos nomeou o coordenador do Gaeco, Bruno Gangoni, para assumir o caso temporariamente enquanto escolhia o promotor que ficaria definitivamente. Gangoni atuou no acompanhamento dos processos judiciais e procedimentos extrajudiciais criminais que estavam em andamento. O coordenador do Gaeco, agora, assume o Caso Marielle definitivamente.

Em nota, o MPRJ informou: " Importante destacar que, desde o início, as investigações do caso Marielle e Anderson estavam sob a responsabilidade do GAECO/MPRJ que, na nova formatação, dará a devida continuidade aos trabalhos". O procurador-geral de Jsutiça, Luciano Mattos, prossegue: "Reforço o compromisso do MPRJ com toda a sociedade e com os familiares das vítimas de que a instituição está empenhada na elucidação do caso. Para isso, criamos a Força-Tarefa, em março deste ano, e agora estamos ampliando o efetivo para oito promotores de Justiça focados na investigação, todos integrantes do GAECO/MPRJ. Estaremos com uma grande frente de trabalho, reunindo promotores especializados, dedicados à continuidade das investigações, para a identificação dos eventuais mandantes dos crimes. Reafirmo que a elucidação completa deste caso é uma das prioridades absolutas do MPRJ".

O último ato das promotoras Simone Sibílio e Letícia Emile à frente da Força-Tarefa do Caso Marielle e Anderson foi denunciar o ex-vereador e ex-miliciano Cristiano Girão pela morte de um desafeto na Gardênia Azul. As investigações concluíram que o sargento da Polícia Militar reformado, Ronnie Lessa, réu pelas mortes da parlamentar e do motorista, teria executado o rival de Girão, o ex-PM André Henrique da Silva Souza, o André Zóio, e sua companheira Juliana Sales.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos