Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    61.298,77
    +4.009,12 (+7,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Procura por voo aos EUA aumenta até 88% após país anunciar autorização de entrada a vacinados a partir de novembro

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO — A procura de brasileiros por passagens e pacotes de turismo com destino aos Estados Unidos tem aumentado desde o anúncio feito na segunda-feira de que o país receberá viajantes internacionais totalmente vacinados contra Covid-19 a partir de novembro. A medida ainda não foi oficialmente publicada no site da Casa Branca e precisa ser regulamentada, mas já provocou frisson no mercado.

Na Decolar, o movimento foi 88% maior nesta segunda em relação à segunda-feira da semana passada (13). Miami foi o destino mais procurado no dia, seguido por Nova York, Orlando, Boston e Los Angeles.

Já na plataforma Kayak, há aumento nas buscas por passagens a Orlando (62%), Miami (61%) e Nova York (47%), na comparação semanal. Os índices, no entanto, são menores do que os registrados há um ano. Nesta terça-feira, o preço médio das viagens a Orlando era R$ 3.449; a Miami, R$ 3.561; e a Nova York, R$ 4.120, segundo o Kayak. Na comparação com o registrado um mês atrás, os preços para o primeiro destino subiram 9%, e dos demais recuaram 2% e 5%, respectivamente.

Segundo Sylvio Ferraz, diretor de produtos internacionais da CVC Corp, pacotes com destino aos EUA representam historicamente cerca de 35% do mercado de rotas internacionais para brasileiros.

— Estou em uma feira sobre turismo em Las Vegas e foi uma surpresa para os executivos aqui. A expectativa é de que todas as vacinas aceitas pela OMS sejam contempladas. Hoje, a CoronaVac já é aceita para espectadores na Broadway, por exemplo — diz.

Mesmo que a CoronaVac esteja entre as vacinas contempladas, a exigência de visto e a expectativa de que os consulados e a embaixada americana no Brasil demorem para conceder novas autorizações são vistos como possível limitador para brasileiros, de acordo com o executivo.

— Temos um desafio que é o do tirar visto americano, estamos imaginando essa retomada primeiramente para quem já tem visto, porque a agenda para retirada de vistos agora tem sido apenas para 2022 — afirma Ferraz.

Ainda assim, a expectativa do setor, segundo o executivo, é de que as companhias aéreas brasileiras aumentem sua oferta de voos para os EUA.

Em nota, a Latam Brasil afirma que "recebe com entusiasmo a notícia dos planos de abertura das fronteiras do Estados Unidos, pois é um importante mercado para a companhia".

"A empresa está preparada para aumentar os voos entre Brasil e Estados Unidos, assim que essa informação for oficializada. A Latam não deixou de operar voos do Brasil para os Estados Unidos nem mesmo durante a pandemia nas rotas GRU-MIA (Miami) e GRU-JFK (Nova York)", diz a empresa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos