Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,28
    +0,04 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.871,20
    +4,70 (+0,25%)
     
  • BTC-USD

    34.894,43
    +494,46 (+1,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    696,42
    -4,19 (-0,60%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.740,39
    +27,44 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    29.962,47
    +320,19 (+1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.523,26
    -110,20 (-0,38%)
     
  • NASDAQ

    13.299,50
    +5,25 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4102
    -0,0884 (-1,36%)
     

Procura por leitos para Covid-19 cresceu 93% em quatro semanas no Rio

Felipe Grinberg
·1 minuto de leitura
Alexandre Cassianoem 22-4-2020 / Agência O Globo

RIO — O que todos temiam, desde o início da pandemia, volta a assombrar o Rio de Janeiro. Pela quinta semana consecutiva, o Estado apresentou uma alta no pedido de internações para pacientes com Covid-19. Um levantamento do GLOBO com dados da Secretaria estadual de Saúde mostra que, na última semana epidemiológica — entre os dias 15 e 21 de novembro — , as unidades de toda a rede SUS do Rio pediram vagas para 1.044 pessoas com suspeita ou caso confirmado de coronavírus. A procura por leito na rede saltou 93% em quatro semanas: entre 18 e 24 de outubro, tinham sido requisitadas 540 vagas. O quadro constatado pelo jornal foi o que levou as autoridades federais, estaduais e municipais a deflagrarem nesta segunda-feira um plano de ação rápida, em que suspendem cirurgias eletivas — desde que não sejam oncológicas ou bariátricas, entre outras — e ofertam mais 214 vagas para pacientes com a doença.

Mais do que determinar se é um repique ou uma segunda onda, o importante é definir uma reação à altura do fenômeno. O fato é que o Rio registra o maior pedido de leitos da pandemia desde junho. O infectologista Roberto Medronho, diz que ainda não é possível prever o tamanho do problema, mas ele não acredita que voltaremos aos patamares de maio, no auge do avanço da doença no Estado.