Mercado fechará em 2 h 11 min
  • BOVESPA

    122.072,63
    +163,60 (+0,13%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.412,57
    -454,58 (-0,91%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,46
    +0,54 (+0,83%)
     
  • OURO

    1.835,50
    -2,10 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    56.344,08
    -1.107,25 (-1,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.504,47
    +1.261,79 (+519,94%)
     
  • S&P500

    4.155,01
    -33,42 (-0,80%)
     
  • DOW JONES

    34.288,80
    -454,02 (-1,31%)
     
  • FTSE

    6.947,99
    -175,69 (-2,47%)
     
  • HANG SENG

    28.013,81
    -581,89 (-2,03%)
     
  • NIKKEI

    28.608,59
    -909,71 (-3,08%)
     
  • NASDAQ

    13.358,25
    +1,50 (+0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3529
    +0,0127 (+0,20%)
     

Procon-SP segue pressionando FB e WhatsApp sobre nova política de privacidade

Ramon de Souza
·2 minuto de leitura

Pouco tempo após o Instituto de Defesa do Consumidor (Idec) enviar um documento formal solicitando a suspensão da nova política de privacidade do WhatsApp, é a vez da Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-SP) pressionar o mensageiro para barrar tal mudança. O novo texto, vale lembrar, está programado para surtir efeito no dia 15 de maio e praticamente obrigará os internautas a concordar com o compartilhamento excessivo de suas informações com o Facebook, sob pena de ter seu perfil bloqueado.

O Procon-SP se reuniu virtualmente nesta última quinta-feira (22) com representantes do Facebook, detentor do aplicativo em questão, para questionar quais serão as limitações sofridas pelos usuários que não aderirem à nova política. Ao fim do encontro, porém, o órgão se mostrou insatisfeito com os esclarecimentos e decidiu que a companhia precisa detalhar ainda mais o assunto — logo, enviou um ofício com mais uma série de perguntas que devem ser respondidas em breve.

Agora, a rede social precisa explicar, em miúdos, quais serão as alterações na política de privacidade nos dois tipos de contas possíveis na plataforma: a pessoal (comunicação entre dois cidadãos) e a Business (corporativa, usada por empresas para divulgar e vender produtos). Este último é particularmente preocupante, uma vez que o Banco Central do Brasil (BCB) aprovou recentemente o funcionamento do WhatsApp Pay, método de pagamento eletrônico integrado ao mensageiro.

Especialistas no assunto garantem que a nova política do serviço fere tanto a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) quanto o Código de Defesa do Consumidor ao “forçar” o aceite de determinada condição de uso de um produto ou serviço; o fato de que vários países já conseguiram reverter a mudança conta a favor dos internautas brasileiros. Como comentado por Juliana Oms, do Idec, “não está clara a base que explica o compartilhamento de dados entre as empresas” e nem a real necessidade disso.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: