Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.361,99
    -1.396,55 (-2,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Procon-SP pede que Queiroga barre reajuste de planos de saúde

JOANA CUNHA
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Fernando Capez, diretor-executivo do Procon-SP, enviou mensagem para o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, nesta terça-feira (27), pedindo que a pasta imponha à ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) um limite aos reajustes nos preços dos planos de saúde.

A agência não interfere na definição dos preços dos planos coletivos, mas Capez sugere o teto de 8,14% de aumento, que é o patamar hoje permitido pela ANS para os planos individuais ou familiares.

Ao ministro, o Procon-SP repetiu o que vem dizendo nas últimas semanas, quando elevou a pressão para combater o reajuste. O órgão diz que as operadoras não têm dado transparência na divulgação dos custos que justifiquem os aumentos e que a ANS não tem exigido comprovação da elevação das despesas.

“Dizer que haverá livre negociação é fechar os olhos à realidade e permitir que as operadoras fixem unilateralmente os novos valores”, escreveu Capez no pedido enviado o ministro.

Na segunda-feira (26), o Procon-SP entrou com uma ação civil pública contra várias operadoras, solicitando que elas apresentem em 30 dias informações sobre o impacto da queda da sinistralidade de 2020 nos reajustes dos planos coletivos, e obteve uma liminar.