Mercado fechará em 2 h 45 min
  • BOVESPA

    125.628,59
    +1.016,56 (+0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.186,69
    +276,16 (+0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,47
    +0,82 (+1,14%)
     
  • OURO

    1.801,50
    +1,70 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    40.188,61
    +2.432,45 (+6,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    943,35
    +13,42 (+1,44%)
     
  • S&P500

    4.396,25
    -5,21 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.936,25
    -122,27 (-0,35%)
     
  • FTSE

    7.016,63
    +20,55 (+0,29%)
     
  • HANG SENG

    25.473,88
    +387,45 (+1,54%)
     
  • NIKKEI

    27.581,66
    -388,56 (-1,39%)
     
  • NASDAQ

    14.996,75
    +49,00 (+0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1032
    -0,0052 (-0,09%)
     

Procon-SP pede para Queiroga abrir dados de plano de saúde coletivo

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Ainda na investida contra o aumento nos preços dos planos de saúde coletivos, o Procon-SP enviou a reclamação para o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

O Procon informou a pasta que decidiu notificar as operadoras porque, segundo o órgão de defesa do consumidor, o mercado ainda trabalha com "falsos planos coletivos", em que uma pessoa física é induzida a criar um CNPJ para não fazer plano individual, ficando fora do alcance da regulação da ANS para os reajustes de preços.

Para apurar o caso, o Procon pede que o ministério solicite à ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) as informações que ajudariam a identificar os tais "falsos coletivos".

Fernando Capez, diretor do Procon-SP, quer que a agência reguladora forneça a relação completa dos planos que são coletivos, porém, formados por um único usuário, para verificar com a Receita Federal se uma parte está com CNPJ inativo.

Segundo o comunicado enviado por Capez a Queiroga, a falsa coletivização dos planos teria a finalidade de se esquivar das regras aplicadas aos planos individuais.

"Os fornecedores não oferecem plano individual, ou oferecem com a condição de as pessoas físicas constituírem empresas, para o exclusivo fim de contratar o seguro, servindo-se de oferta enganosa com preço inicialmente mais atrativo para poder, na sequência, aplicar reajustes sem controle da ANS", diz o comunicado.

Na semana passada, a ANS aprovou o reajuste anual dos planos de saúde individuais e familiares que, neste ano, pela primeira vez na história, vai ser negativo, ou seja, um desconto obrigatório de ao menos 8,19%. Este cálculo não atinge os planos coletivos.

A Abramge (Associação Brasileira de Planos de Saúde) já se manifestou sobre o caso dizendo que se trata de uma questão antiga e superada por novas regras da ANS e pelo processo de verificação que as operadoras realizam.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos